Direito Digital

A nova Lei de Proteção de Dados brasileira (LGPD)

Galvão & Silva Advocacia - Foto Autor
Por Galvão & Silva Advocacia.
0 Comentário

Veja o que muda com a nova Lei de Proteção de Dados brasileira – LGPD
Veja o que muda com a nova Lei de Proteção de Dados brasileira – LGPD

Foi publicada, no mês de agosto deste ano de 2018, a Lei de Proteção de Dados, Lei nº 13.079/2018, que dispõe sobre o tratamento de informações pessoais tanto por pessoa natural quanto por pessoa jurídica de Direito Privado ou Direito Público. Por mais que já vigorasse no ordenamento jurídico do país a proteção à intimidade e o sigilo de comunicações, o tratamento conferido aos dados pessoais, sobretudo no cenário tecnológico, era vago.

Diante dessa lacuna normativa, as empresas poderiam se valer desses dados de acordo com os seus interesses, existindo a suspeita, inclusive, de comercialização de dados pessoais. Outro problema enfrentado era a possibilidade de o Poder Judiciário determinar a prestação de informações, sobretudo por parte de empresas de tecnologia, sem nenhum critério.

Ao regular essa matéria, o Brasil protege seus cidadãos e alinha-se a um movimento internacional já existente em outros países da América Latina e da União Europeia, atendendo às exigências internacionais. Com o objetivo de esclarecer o que de fato mudou com a Lei Geral de Proteção de Dados, nossos advogados especialistas em Direito Digital elaboraram o presente artigo. Confira!

Preencha o formulário e fale com um advogado especialista.
Fale conosco

O que é a Lei de Proteção de Dados (LGPD)?

A LGPD, embora tenha sido inspirada na Regulamentação Geral de Proteção de Dados (GDPR) da União Europeia, foi amplamente debatida entre especialistas, sociedade civil e empresários brasileiros.

A legislação regula como os dados pessoais podem ser coletados e tratados no território nacional, por pessoas naturais e por pessoas jurídicas de Direito Público ou Privado, bem como as sanções no caso de descumprimento. Não é objeto de proteção da lei, no entanto, o tratamento de dados para fins exclusivamente particulares e não econômicos, jornalísticos, artísticos, acadêmicos e, ainda, para a finalidade exclusiva de segurança pública e defesa nacional.

De acordo com a LGPD, dado pessoal é toda informação relacionada à pessoa natural identificável ou identificada. Como exemplo, podemos citar o nome, o endereço de e-mail, o IP do computador, fotos próprias, endereço residencial e números dos documentos.

Já o dado pessoal sensível, que receberá proteção ainda maior, é todo aquele sobre origem racial ou étnica, opinião política, convicção religiosa, filiação a sindicato ou a organizações de caráter filosófico, político ou religioso, informação sobre saúde ou vida sexual, dado genético ou biométrico, quando vinculado a uma pessoa natural.

O que muda com a Lei Geral de Proteção de Dados?

Com a entrada em vigor da LGPD, a coleta e o tratamento de dados por instituição pública ou privada só poderão ser feitos com o consentimento do usuário, ou do seu responsável legal, no caso de incapaz. Além disso, o agente responsável pela instituição deve informar a finalidade da obtenção do dado, bem como a sua necessidade e, ainda, garantir que ele será utilizado somente para a finalidade informada.

Uma vez coletados seus dados, o titular tem o direito de livre acesso. Isso significa que ele pode solicitar que seja informada a integralidade de dados que a empresa mantém sobre ele, assim como a forma e a duração do tratamento. Além disso, ele pode requerer que seus dados sejam alterados ou excluídos a qualquer momento, salvo se para fins fiscais.

Para viabilizar esse procedimento, toda empresa e instituição pública que recolha dados pessoais — denominada controladora — deve indicar uma pessoa natural responsável pelo tratamento dos dados — encarregado —, o qual também assumirá a função de canal de comunicação entre controlador e o titular e a autoridade nacional. Tanto o controlador quanto o encarregado são juridicamente responsáveis pela segurança dos dados coletados.

Ligue agora e agende uma reunião
(61) 3702.9969

Entre as responsabilidades das instituições públicas e privadas que coletam dados pessoais, está a de adotar medidas de prevenção e de proteção à segurança desses dados, como encriptação e anonimização. Havendo qualquer tipo de incidente, como um vazamento, a autoridade responsável deverá ser informada imediatamente.

As empresas e instituições públicas que recolham ou processem dados estarão sujeitas a sanções em caso de descumprimento de qualquer uma dessas determinações e de outras previstas na Lei Geral de Proteção de Dados. As sanções podem variar desde advertência e suspensão até a aplicação de multa — até o limite de R$ 50 milhões por infração — e a proibição da atividade de tratamento de dados de acordo com a gravidade do caso, a reincidência e a boa-fé do infrator.

Qual é o órgão responsável pela fiscalização?

O projeto da Lei de Proteção de Dados, previa a criação de uma autarquia federal ligada ao Ministério da Justiça, denominada Autoridade Nacional de Proteção de Dados (ANPD) e de um Conselho Nacional de Proteção de Dados Pessoais e de Privacidade, como órgão consultivo formado por integrantes do Poder Público e da Sociedade Civil.

Assim como as agências reguladoras, a ANPD teria a função de fiscalizar o cumprimento da lei por parte das empresas e das próprias instituições públicas e de aplicar eventuais sanções em caso de desrespeito aos seus preceitos. No entanto, a criação de ambos foi vetada, sob a alegação de vício de iniciativa e consequente inconstitucionalidade.

Com esse veto, surge a dúvida de quem assumirá o papel de fiscalização. Representantes do governo mencionaram a possibilidade de essa função ser atribuída à ABIN (Agência Brasileira de Inteligência), à Polícia Federal ou ao Ministério Público. Foi sinalizada, também, a possibilidade de encaminhamento de projeto de lei para criação da ANPD para o Congresso Nacional, corrigidos eventuais pontos polêmicos.

Dessa forma, a entrada em vigor da Lei de Proteção de Dados afetará significativamente todas as empresas que coletam e tratam dados pessoais. Cabe a elas aproveitarem esse período de 18 meses para se adaptar e estar em compliance, evitando não só o descumprimento da lei, mas o desrespeito aos direitos dos cidadãos.

Ficou alguma dúvida? Precisa do auxílio de um advogado? Entre em contato com nosso escritório de advocacia!

Galvão & Silva Advocacia - Foto Autor
Por Galvão & Silva Advocacia.
Atualizado em 15 de setembro de 2020.

Comentários ( 0 )

Fale o que você pensa

Precisa de um advogado especialista?

Nosso escritório de advocacia conta com uma equipe qualificada de advogados especializados em cada área do direito, sempre em busca de soluções céleres, financeiramente vantajosas e menos desgastantes. Fale conosco agora mesmo.



Onde nos encontrar

Nosso escritório localizado no Venancio Shopping na Asa Sul
Asa Sul

SCS Quadra 08, Venâncio Shopping, Bloco B-60, 2º Andar, Salas 203 e 204 – Brasília-DF CEP: 70.333-900

Ver no mapa
Nosso escritório localizado no edifício Easy em Águas Claras
Águas Claras

Rua das Pitangueiras 02 Águas Claras Norte - Brasília DF, Lote 11/12, Edifício Easy, Mezanino

Ver no mapa

Entre em contato

Receba nosso contato personalizado

✓ Válido

Suas informações estão seguras

Entre em contato

Receba nosso contato personalizado

✓ Válido

Suas informações estão seguras