Quem Responde PAD pode se Aposentar? Quem Responde PAD pode se Aposentar?

Quem Responde PAD pode se Aposentar?

Por Galvão & Silva Advocacia

0 Comentários

8 min de leitura

quem-responde-pad-pode-se-aposentar

Segundo a jurisprudência, quem responde PAD pode se aposentar quando o procedimento administrativo não for concluído ao tempo estipulado pela legislação. Isso porque a aposentadoria é um direito constitucional e pode ser concedida desde que o servidor atenda aos requisitos legais estabelecidos para tal, como tempo de contribuição e idade mínima.

Neste artigo, exploraremos os principais aspectos legais do Processo Administrativo Disciplinar, as suas implicações e as possíveis consequências de buscar a aposentadoria durante a sua tramitação, fornecendo uma visão esclarecedora sobre as limitações que envolvem essa situação. Confira!

Um servidor que está respondendo a um PAD pode enfrentar impedimentos para se aposentar?

No Brasil, quem responde PAD pode se aposentar, mas há aspectos importantes a considerar quanto às implicações desse processo sobre a aposentadoria. Diante disso, conforme estabelecido pelo Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF4), um Processo Administrativo Disciplinar (PAD) pode, de fato, criar obstáculos para a aposentadoria de um servidor público durante seu andamento, desde que exista uma base legal adequada para tal.

Dessa forma, em situações específicas, especialmente aquelas em que o comportamento do servidor representa uma ameaça à integridade da Administração Pública ou está associado a atos ilícitos graves, existe a possibilidade de suspender temporariamente o processo de aposentadoria até que o PAD seja integralmente concluído.

É importante salientar que esse procedimento é implementado com o objetivo de salvaguardar os interesses públicos e assegurar que o servidor envolvido seja devidamente responsabilizado pelas infrações que cometeu. Assim, a medida é uma manifestação do compromisso com a responsabilidade e a ética no serviço público, enfatizando a importância de se completar o processo disciplinar antes de conceder os benefícios da aposentadoria.

Ligue e agende a sua consultoria com o Advogado Especialista.

O servidor precisa esperar o término do PAD antes de se aposentar?

Em relação a quem responde PAD poder se aposentar, o artigo 172, do Estatuto dos Servidores Públicos Federais (Lei nº 8.112/1990), preceitua que: 

Art. 172.  O servidor que responder a processo disciplinar só poderá ser exonerado a pedido, ou aposentado voluntariamente, após a conclusão do processo e o cumprimento da penalidade, acaso aplicada

Lei nº 8.112/1990

Conforme disposição acima, existe a possibilidade de que o impedimento à concessão de aposentadoria a um servidor que esteja respondendo a um Processo Administrativo Disciplinar (PAD) seja flexibilizado. Isso porque a jurisprudência tem demonstrado que, em casos onde o PAD não é concluído dentro do prazo estipulado pela norma, a restrição de aposentadoria pode não se aplicar. Portanto, quem responde PAD pode se aposentar se o atraso na conclusão do processo for de responsabilidade da autoridade julgadora, e não do servidor.

Nesse contexto, se um servidor federal, por exemplo, já cumpriu os requisitos necessários para aposentadoria, mas se encontra aguardando a conclusão do PAD, a demora excessiva na decisão administrativa não deve ser um impedimento para a aposentadoria. Isso é respaldado pelo prazo legal de 140 dias para o julgamento do PAD, conforme estabelecido na Lei nº 8.112/90. Nesse sentido: 

Art. 152.  O prazo para a conclusão do processo disciplinar não excederá 60 (sessenta) dias, contados da data de publicação do ato que constituir a comissão, admitida a sua prorrogação por igual prazo, quando as circunstâncias o exigirem.

Art. 167. No prazo de 20 (vinte) dias, contados do recebimento do processo, a autoridade julgadora proferirá a sua decisão.

Lei nº 8.112/1990

Além disso, decisões judiciais nessa mesma linha reforçam que quem responde PAD pode se aposentar, pois não se pode deixar o servidor aguardando indefinidamente a decisão final do processo, especialmente quando as condições para aposentadoria já foram atendidas. No mais, argumenta-se que o processo administrativo deve ter uma duração razoável para não prejudicar o servidor e violar o princípio da eficiência, como destacado em decisões do TRF da 5ª Região.

Precisando de um Advogado Especialista em sua causa?Somos o escritório certo para te atender.

Ressalta-se que mesmo que o servidor que responde PAD se aposente e posteriormente seja constatada a prática de infração que justifique a demissão, a Administração não sofrerá prejuízos, pois tem a possibilidade de cassar a aposentadoria nos termos do artigo 134 da Lei nº 8.112/1990. Dessa forma, é importante considerar que, enquanto a demora no processo disciplinar penaliza o servidor ao restringir seu direito de se aposentar, a cassação da aposentadoria permanece como um recurso administrativo disponível. Nesse sentido: 

Art. 134.  Será cassada a aposentadoria ou a disponibilidade do inativo que houver praticado, na atividade, falta punível com a demissão.  

Lei nº 8.112/1990

Um servidor pode ser aposentado compulsoriamente enquanto responde a um PAD?

No contexto do serviço público brasileiro, a situação de quem responde a um Processo Administrativo Disciplinar (PAD) pode ser complexa, especialmente quando se trata da possibilidade de aposentadoria. É importante entender que, mesmo que quem responde a um PAD possa se aposentar, existem diferentes cenários e implicações a serem considerados.

A aposentadoria compulsória é um aspecto relevante nesse contexto. Dessa forma, com a Reforma da Previdência e a Emenda Constitucional 103/2019, os servidores que atingem a idade limite, atualmente fixada em 75 anos, podem ser aposentados compulsoriamente, independentemente de estarem respondendo a um PAD. 

Além disso, em casos de infrações graves apuradas durante um PAD, a aposentadoria compulsória pode ser imposta como penalidade. Neste caso, mesmo que quem responde a um PAD possa se aposentar por outros meios, enfrentará a aposentadoria compulsória como consequência do processo disciplinar, mas somente após a conclusão do PAD e com a devida comprovação da infração.

Outro ponto a considerar é que a aposentadoria compulsória como penalidade pode afetar de maneira diferente os benefícios de aposentadoria do servidor, comparada à aposentadoria por idade. Isso é especialmente relevante para quem responde a um PAD e é submetido a essa forma de penalidade.

Clique no botão e fale agora com o advogado especialista

Existem consequências à aposentadoria se o servidor for considerado culpado no PAD?

Quando um servidor público é julgado culpado em um Processo Administrativo Disciplinar (PAD), as repercussões são profundas e multifacetadas, afetando diretamente o direito à aposentadoria. Essas implicações, que variam em escala e natureza, ressaltam o rigor e a seriedade com que o sistema administrativo público trata a conduta profissional e a ética no desenvolvimento da atividade pública.

Nesse contexto, as restrições impostas à aposentadoria de um servidor público culpado em um PAD são um exemplo claro dessa rigorosidade. Isso porque, dependendo da severidade da falta, a aposentadoria pode ser negada, ajustada para uma modalidade proporcional ou, em casos extremos, cassada. Segue as principais restrições que acometem a aposentadoria de quem foi condenado em um processo de PAD:

  • Perda do Direito à Aposentadoria: no caso de demissão, o servidor perde o direito de se aposentar com base no cargo do qual foi desligado, sendo uma restrição que sublinha a importância da conduta ética e profissional no serviço público.
  • Cassação da Aposentadoria: oara servidores que já se encontram aposentados, uma condenação no PAD pode levar à cassação da aposentadoria, representando uma perda significativa, pois o servidor deixa de ter acesso aos benefícios previdenciários vinculados àquele cargo específico. Isso acontece, por exemplo, nos casos de improbidade administrativa ou crimes contra a Administração Pública.
  • Aposentadoria Proporcional: em determinadas circunstâncias, um servidor culpado em um PAD pode ter o direito limitado à aposentadoria proporcional, sendo calculado com base no tempo de contribuição e nos benefícios acumulados até a ocorrência da infração, refletindo um ajuste nos direitos previdenciários do servidor.
  • Restrições nos Benefícios: além da potencial perda do direito à aposentadoria integral, um servidor público submetido a um Processo Administrativo Disciplinar (PAD) pode confrontar-se com diversas restrições nos benefícios que lhe são devidos. Essas limitações podem incluir a suspensão de gratificações, a proibição de progressões e promoções na carreira, e outras medidas que impactam diretamente na progressão e no desenvolvimento profissional do servidor.
Ligue e agende a sua consultoria com o Advogado Especialista.

Para quem responde a um Processo Administrativo Disciplinar (PAD) e busca orientação legal sobre aposentadoria, é fundamental consultar um advogado ou um especialista em Direito Administrativo e Previdenciário. Esses profissionais podem oferecer conselhos específicos acerca das situações pelas quais quem responde PAD pode se aposentar. 

Nesse sentido, eles estão equipados para fornecer informações sobre os direitos e obrigações do servidor durante o PAD, as potenciais consequências do processo em seu status de aposentadoria, e as melhores abordagens legais a serem adotadas nessas situações complicadas. Dessa forma, a busca por orientação especializada é essencial para assegurar decisões bem informadas, respeitando todas as implicações legais e seguindo os procedimentos corretos.

Conclusão

Nesse ínterim, verificamos que quem responde PAD pode se aposentar especialmente quando o atraso na conclusão do processo é responsabilidade da autoridade julgadora. Entretanto, tal processo tem também o potencial de interferir na aposentadoria de um servidor público. Observamos isso com a interpretação do Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF4) e outros posicionamentos jurídicos, os quais dispõem que, se existirem pendências ou acusações sérias em curso, a concessão da aposentadoria deve ser postergada até a resolução final do PAD. 

Além disso, uma condenação no PAD pode resultar em consequências significativas para o servidor, variando desde a perda do direito à aposentadoria integral até a imposição da aposentadoria compulsória, dependendo da severidade da falta disciplinar cometida. Nesse contexto, torna-se fundamental que o servidor procure aconselhamento jurídico especializado, a fim de assegurar uma defesa eficaz de seus direitos ao longo do processo administrativo.

Precisando de um Advogado Especialista em sua causa?Somos o escritório certo para te atender.

O escritório Galvão & Silva conta com os melhores advogados especialistas em Direito Administrativo e Previdenciário do país, que estão sempre prontos para solucionar as mais complexas questões relacionadas ao Processo Administrativo Disciplinar (PAD). Entre em contato conosco e receba um atendimento célere, personalizado e humanizado. Estamos ansiosos para te ajudar!

5/5 - (1 vote)

Atualizado em 2 de janeiro de 2024

Deixe um comentário ou Sugestão:

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Escritório bem avaliado

Temos uma reputação global por fornecer serviços jurídicos excepcionais.

Posts relacionados

Quem Paga os Direitos Trabalhistas do...

Por Galvão & Silva Advocacia

14 dez 2023 ∙ 7 min de leitura

Doença Ocupacional: Entenda Tudo Sobre o...

Por Galvão & Silva Advocacia

11 dez 2023 ∙ 22 min de leitura

Advogado de Direito Trabalhista em Goiânia...

Por Galvão & Silva Advocacia

24 nov 2023 ∙ 13 min de leitura

Posts recomendados

Advogado especialista em dívidas bancárias

Por Galvão & Silva Advocacia

28 dez 2020 ∙ 8 min de leitura

Homologação de sentença estrangeira

Por Galvão & Silva Advocacia

15 jun 2014 ∙ 41 min de leitura

Direito Administrativo

Por Galvão & Silva Advocacia

29 abr 2014 ∙ 21 min de leitura

Onde nos encontrar

Goiânia - GO

Av. Portugal, n°1148, Sala C 2501 - Edifício Órion Business & Health Complex, Setor Marista, Goiânia - GO CEP: 74.150-030

São Paulo - SP

Avenida Paulista, 1636 - Sala 1504 - Cerqueira César, São Paulo - SP CEP: 01.310-200

Belo Horizonte - BH

Rua Rio Grande do Norte, 1435, Sala 708 - Savassi, Belo Horizonte - MG CEP: 30130-138

Águas Claras - DF

Rua das Pitangueiras 02 Águas Claras Norte, Lote 11/12, Edifício Easy, Mezanino, Brasília - DF CEP: 71950-770

Fortaleza - CE

Rua Monsenhor Bruno, nº 1153, Sala 1423 - Scopa Platinum Corporate, Aldeota, Fortaleza - CE CEP: 60115-191

Florianópolis - SC

Av. Pref. Osmar Cunha, 416, Sala 1108 - Ed. Koerich Empresarial Rio Branco, Centro, Florianópolis - SC CEP: 88015-200

Natal - RN

Avenida Miguel Alcides de Araújo, 1920, Lote A, Capim Macio, Natal - RN CEP: 59078-270

Salvador - BA

Avenida Tancredo Neves, 2539, Sala 2609 - CEO Salvador Shopping Torre Londres, Caminho das Árvores, Salvador - BA CEP: 41820-021

Teresina - PI

Rua Thomas Edson, 2203 - Horto, Teresina - PI CEP: 64052-770

Curitiba - PR

Rua Bom Jesus, Nº 212, Sala 1904 - Juvevê - Curitiba - PR CEP: 80.035-010

João Pessoa - PB

Avenida Dom Pedro I, no 719, sala 104, Tambiá - João Pessoa - PB CEP: 58020-514

©2024 Galvão & Silva - Todos os Direitos Reservados.

Entrar em contato pelo WhatsApp
✓ Válido

Olá, tudo bem? Clique aqui e agende uma consulta com o especialista.
Formulário de whatsapp
Ligar
Auarde um momento enquanto geramos o seu protocolo de atendimento.