Quantas vezes o pai tem direito de ver o filho? Quantas vezes o pai tem direito de ver o filho?

Quantas vezes o pai tem direito de ver o filho?

Por Galvão & Silva Advocacia

0 Comentários

8 min de leitura

quantas-vezes-o-pai-tem-direito-de-ver-o-filho

Se você quer saber quantas vezes o pai tem direito de ver o filho, continue a leitura deste artigo. Descubra todos os direitos do pai em relação ao filho, quantidade de visitas obrigatórias, guarda compartilhada e muito mais!

A legislação brasileira reconhece que é fundamental para o desenvolvimento saudável da criança ter um convívio adequado com ambos os genitores. Isso mesmo após o término da relação conjugal. Portanto, os direitos de visita ou convivência do pai com o filho são garantidos por lei.

O Código Civil brasileiro estabelece que a guarda dos filhos deve ser compartilhada entre pai e mãe. Salvo nos casos em que um dos genitores seja considerado incapaz ou haja algum tipo de acordo, ou decisão judicial que determine o contrário. Nesse sentido, o direito de visitas é assegurado ao genitor não guardião, que normalmente é o pai.

A Lei n.º 13.058/2014 trouxe alterações ao Código Civil, estabelecendo de forma mais clara o direito de convivência dos pais com os filhos. Assim, regulamentando a chamada guarda compartilhada

De acordo com essa lei, o genitor que não detém a guarda tem o direito de visitar o filho regularmente, sendo essas visitas consideradas parte da convivência familiar. Essas visitas podem ocorrer tanto nos fins de semana quanto durante a semana, e o período e a frequência podem ser determinados segundo as particularidades de cada caso.

É importante ressaltar que, caso não haja acordo entre os pais quanto às visitas, ou em situações de conflito, é possível recorrer ao Poder Judiciário para ser estabelecida uma regulamentação de visitas.

Nesses casos, o juiz irá considerar o melhor interesse da criança. Considerando fatores como a idade, a disponibilidade dos pais e a proximidade geográfica entre as residências.

Ligue e agende sua consultoria com o Advogado Especialista em Direito de Família.

Afinal, quantas vezes o pai tem direito de ver o filho?

Mas respondendo à pergunta deste artigo, não existe um número específico de vezes que o pai tem direito de ver o filho estabelecido em lei. A legislação brasileira busca privilegiar a convivência harmoniosa e constante entre o genitor não guardião e a criança, sempre considerando o melhor interesse do menor.

Portanto, o tempo e a frequência das visitas devem ser definidos segundo as necessidades e possibilidades das partes envolvidas. Dessa forma, sempre visando garantir o bem-estar do filho.

Quantos dias por mês o pai tem direito de ver o filho?

Não existe um número fixo de dias por mês estabelecido em lei que determine a quantidade exata de dias que um pai tem o direito de ver o filho no Brasil. O objetivo é sempre buscar um convívio adequado e saudável entre o genitor não guardião e a criança, considerando o melhor interesse do menor.

Em casos de guarda compartilhada, a convivência com o filho é dividida de forma equilibrada entre os pais. O tempo de convivência pode ser estabelecido conforme as particularidades de cada caso. Considerando fatores como a idade da criança, a disponibilidade dos pais, a proximidade geográfica entre os pais e outros aspectos relevantes.

No entanto, quando não há um acordo entre os pais ou em situações conflituosas, é possível recorrer por meio de uma ação na justiça, para ser estabelecida uma regulamentação de visitas.

Nesses casos, o juiz irá considerar o melhor interesse da criança e determinar a frequência e a duração das visitas, considerando as circunstâncias específicas do caso.

Portanto, é importante que os pais busquem um acordo ou, caso não seja possível, solicitem orientação jurídica para que a questão da visitação seja resolvida de maneira adequada. Sempre priorizando o bem-estar e o desenvolvimento saudável da criança.

Ligue e agende sua consultoria com o Advogado Especialista em Direito de Família.

O que mudou com a nova lei da guarda compartilhada?

A Lei n.º 13.058/2014 introduziu importantes alterações ao Código Civil brasileiro, especialmente no que diz respeito à guarda compartilhada. Antes dessa lei, a guarda compartilhada era apenas uma possibilidade, e a guarda unilateral (em que um dos genitores detém a guarda exclusiva) era a forma mais comum de estabelecer a responsabilidade parental.

Com a nova lei, a guarda compartilhada passou a ser a regra, estabelecendo que, salvo em casos específicos em que um dos genitores seja considerado incapaz ou impróprio para exercer a guarda, deve-se buscar o compartilhamento das responsabilidades parentais. O objetivo é garantir que ambos os pais participem ativamente na criação e educação dos filhos, mesmo após o término da relação conjugal.

A guarda compartilhada significa que os pais devem tomar conjuntamente as decisões importantes sobre a vida da criança, como saúde, educação, religião, entre outros aspectos relevantes.

Além disso, a lei prevê que o tempo de convivência com os filhos deve ser dividido de forma equilibrada e que ambos os genitores têm o direito e o dever de participar ativamente na vida da criança.

Vale ressaltar que, embora a guarda compartilhada seja a regra, a lei reconhece que existem situações em que esse tipo de guarda pode não ser adequado para o bem-estar da criança. Portanto, em casos excepcionais, o juiz pode determinar a guarda unilateral, desde que haja fundamentação adequada, sempre considerando o melhor interesse da criança.

Como funciona a guarda provisória?

A guarda provisória é uma medida judicial que visa assegurar a proteção e o bem-estar da criança durante o processo de decisão sobre a guarda definitiva.

Ela é aplicada em situações em que há uma disputa ou controvérsia em relação à guarda dos filhos, e é estabelecida temporariamente até que seja proferida uma decisão final.

A guarda provisória pode ser solicitada por um dos genitores ou por terceiros interessados, como avós ou outros parentes próximos, que acreditam que a criança esteja em situação de risco ou que a guarda unilateral do outro genitor não seja adequada.

Quando o juiz receber o pedido de guarda provisória, ele irá avaliar as circunstâncias e o melhor interesse da criança para decidir. Geralmente, o juiz considera fatores como o histórico de relacionamento dos pais com a criança, a estabilidade e capacidade de cuidado de cada um, e qualquer evidência de violência doméstica, abuso ou negligência.

A guarda provisória pode ser concedida a um dos genitores, estabelecendo a guarda unilateral provisória, ou pode ser atribuída a ambos os genitores, configurando uma guarda compartilhada provisória. O objetivo principal é garantir a segurança e o desenvolvimento saudável da criança enquanto se aguarda a decisão definitiva sobre a guarda.

É importante ressaltar que a guarda provisória não é uma decisão final e pode ser modificada durante o processo, caso surjam novas informações ou circunstâncias relevantes.

Após a análise completa do caso, o juiz poderá proferir uma decisão definitiva sobre a guarda, considerando todos os elementos e o melhor interesse da criança.

Ligue e agende sua consultoria com o Advogado Especialista em Direito de Família.

Quanto tempo demora um processo de regulamentação de visitas?

O tempo necessário para a conclusão de um processo de regulamentação de visitas varia de acordo com vários fatores, como a complexidade do caso, a disponibilidade do Poder Judiciário em determinada localidade e a existência de acordos ou não entre as partes envolvidas.

Em alguns casos mais simples, em que os pais conseguem chegar a um acordo consensual sobre a regulamentação de visitas, o processo tende a ser mais rápido. 

Nesses casos, os pais podem apresentar um acordo por escrito ao juiz, por meio de uma petição apresentada pelo advogado, para que o juiz que avalie se o acordo atende ao melhor interesse da criança e, caso o juiz entenda que sim, ele homologará o acordo em uma decisão judicial. O tempo necessário para esse processo pode variar de algumas semanas a alguns meses, dependendo da agilidade do sistema judiciário local.

No entanto, em situações mais complexas em que os pais não conseguem chegar a um acordo ou há conflitos significativos, o processo pode levar mais tempo.

Nesses casos, é comum ser necessário realizar audiências, nas quais as partes apresentam seus argumentos e provas, e o juiz decide com base nas provas apresentadas e no depoimento das partes.

O tempo necessário para a conclusão desse tipo de processo pode variar de vários meses a até mesmo anos, dependendo da carga de trabalho do sistema judiciário, da complexidade do caso e de outros fatores.

Se você está passando por um processo de regulamentação de visitas ou está considerando iniciar um, é recomendado buscar orientação de um advogado especializado em Direito de Família. Um profissional qualificado poderá fornecer informações mais precisas e orientá-lo conforme as particularidades do seu caso.

Conclusão

Se você tem dúvidas em relação aos direitos do pai após o término da relação conjugal, é fortemente recomendado buscar orientação de um advogado especializado em Direito de Família para obter informações atualizadas e específicas para o seu caso.

Por esse motivo, se você ainda tiver alguma dúvida sobre os direitos do pai em relação ao filho mesmo após o fim do relacionamento, entre em contato com o escritório Galvão & Silva. 

Nossa equipe oferece um atendimento humanizado e de excelência, dispomos de advogados especialistas em diversas áreas e são muito qualificados, dentre essas especialidades está o Direito de Família.

Os advogados do Galvão & Silva estão sempre à sua disposição para ajudar na resolução das suas dúvidas. Nosso compromisso é te orientar e conseguir a melhor solução para o seu caso, assim como para todos os nossos clientes.

Nossos advogados especialistas, são altamente capacitados e competentes. Prezamos sempre pela ética e justiça, além do bom relacionamento no atendimento de nossos clientes.

4.7/5 - (4 votes)

___________________________

Artigo escrito por advogados especialistas do escritório Galvão & Silva Advocacia. Inscrita no CNPJ 22.889.244/0001-00 e Registro OAB/DF 2609/15.


Atualizado em 16 de outubro de 2023

Deixe um comentário ou Sugestão:

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Escritório bem avaliado

Temos uma reputação global por fornecer serviços jurídicos excepcionais.

Posts relacionados

Investimentos financeiros em caso de...

Por Galvão & Silva Advocacia

12 mar 2024 ∙ 10 min de leitura

Divórcio e Dívidas Conjuntas: Quem Paga o...

Por Galvão & Silva Advocacia

11 mar 2024 ∙ 12 min de leitura

Divórcio e Herança: Como Fica a Partilha de...

Por Galvão & Silva Advocacia

11 mar 2024 ∙ 6 min de leitura

Posts recomendados

Advogado especialista em dívidas bancárias

Por Galvão & Silva Advocacia

28 dez 2020 ∙ 8 min de leitura

Homologação de sentença estrangeira

Por Galvão & Silva Advocacia

15 jun 2014 ∙ 41 min de leitura

Direito Administrativo

Por Galvão & Silva Advocacia

29 abr 2014 ∙ 21 min de leitura

Onde nos encontrar

Goiânia - GO

Av. Portugal, n°1148, Sala C 2501 - Edifício Órion Business & Health Complex, Setor Marista, Goiânia - GO CEP: 74.150-030

São Paulo - SP

Avenida Paulista, 1636 - Sala 1504 - Cerqueira César, São Paulo - SP CEP: 01.310-200

Belo Horizonte - BH

Rua Rio Grande do Norte, 1435, Sala 708 - Savassi, Belo Horizonte - MG CEP: 30130-138

Águas Claras - DF

Rua das Pitangueiras 02 Águas Claras Norte, Lote 11/12, Edifício Easy, Mezanino, Brasília - DF CEP: 71950-770

Fortaleza - CE

Rua Monsenhor Bruno, nº 1153, Sala 1423 - Scopa Platinum Corporate, Aldeota, Fortaleza - CE CEP: 60115-191

Florianópolis - SC

Av. Pref. Osmar Cunha, 416, Sala 1108 - Ed. Koerich Empresarial Rio Branco, Centro, Florianópolis - SC CEP: 88015-200

Natal - RN

Avenida Miguel Alcides de Araújo, 1920, Lote A, Capim Macio, Natal - RN CEP: 59078-270

Salvador - BA

Avenida Tancredo Neves, 2539, Sala 2609 - CEO Salvador Shopping Torre Londres, Caminho das Árvores, Salvador - BA CEP: 41820-021

Teresina - PI

Rua Thomas Edson, 2203 - Horto, Teresina - PI CEP: 64052-770

Curitiba - PR

Rua Bom Jesus, Nº 212, Sala 1904 - Juvevê - Curitiba - PR CEP: 80.035-010

João Pessoa - PB

Avenida Dom Pedro I, no 719, sala 104, Tambiá - João Pessoa - PB CEP: 58020-514

©2024 Galvão & Silva - Todos os Direitos Reservados. CNPJ 22.889.244/0001-00 | OAB/DF 2609/15

Entrar em contato pelo WhatsApp
✓ Válido

Olá, tudo bem? Clique aqui e agende uma consulta com o especialista.
Formulário de whatsapp
Ligar
Auarde um momento enquanto geramos o seu protocolo de atendimento.