Guarda Provisória: Entenda Como Funciona

Guarda Provisória: Entenda Como Funciona

30/06/2023

12 min de leitura

Atualizado em

guarda-provisoria

Falar sobre a guarda provisória é de extrema importância, pois envolve a proteção e o bem-estar de crianças e adolescentes em situações em que seus pais ou responsáveis não podem cuidar adequadamente delas.

A guarda provisória é um mecanismo legal para garantir a proteção e a segurança das crianças em circunstâncias em que seus genitores ou responsáveis não estão disponíveis ou são incapazes de cuidar delas. 

É fundamental discutir a guarda provisória para assegurar que os direitos e os interesses das crianças sejam devidamente protegidos, garantindo-lhes um ambiente seguro e adequado. Pensando na relevância da temática em tela, os advogados do escritório Galvão & Silva Advocacia elaboraram este artigo.

Quais são os objetivos da guarda provisória?

Os objetivos da guarda provisória podem variar de acordo com as circunstâncias específicas de cada caso, mas geralmente envolvem garantir a segurança, proteção e bem-estar da criança durante um período de transição ou em situações emergenciais. Alguns dos principais objetivos da guarda provisória são:

  1. Proteger a criança: a guarda provisória busca assegurar que a criança esteja em um ambiente seguro e livre de qualquer forma de negligência, abuso ou maus-tratos. É uma medida temporária para garantir a proteção imediata da criança até que uma decisão definitiva sobre a guarda possa ser tomada.
  2. Estabilidade e continuidade: a guarda provisória visa proporcionar à criança um ambiente estável durante um período de transição ou incerteza. Isso é especialmente relevante quando há mudanças significativas na vida da criança, como divórcio dos pais, falecimento de um dos genitores, problemas de saúde, abandono ou outras circunstâncias que possam afetar negativamente seu bem-estar.
  3. Atendimento às necessidades básicas: a guarda provisória busca garantir que as necessidades básicas da criança, como alimentação adequada, cuidados médicos, educação e moradia, sejam atendidas durante o período em que a guarda está em vigor. Isso assegura que a criança tenha acesso aos recursos essenciais para seu desenvolvimento saudável.
  4. Preservação dos laços familiares: quando possível e no melhor interesse da criança, a guarda provisória busca manter e fortalecer os laços familiares, permitindo que a criança mantenha contato com os pais ou outros membros da família. Isso é especialmente relevante em casos em que a guarda provisória é concedida a um parente ou outro cuidador próximo.
  5. Avaliação da adequação da guarda: a guarda provisória também pode ter como objetivo permitir uma avaliação mais aprofundada da adequação dos pais ou responsáveis para exercer a guarda permanente da criança. Durante o período de guarda provisória, são realizadas investigações, avaliações e acompanhamento para determinar se a guarda permanente deve ser concedida aos pais ou se outras opções são mais adequadas para o bem-estar da criança.

É importante ressaltar que os objetivos da guarda provisória podem variar de acordo com as leis e as jurisdições específicas. Além disso, os interesses e o bem-estar da criança são considerados fundamentais na determinação dos objetivos e das decisões relacionadas à guarda provisória.

Fale com um advogado especialista.

Quem pode solicitar a guarda provisória?

A guarda provisória pode ser solicitada por diferentes partes, dependendo das circunstâncias e das leis aplicáveis. Entre as pessoas que podem fazer a solicitação estão os pais biológicos, parentes próximos, responsáveis legais ou tutelares, e agências de proteção à criança.

Os pais biológicos têm o direito de solicitar a guarda provisória, especialmente em casos de separação, divórcio ou quando há disputas relacionadas à guarda da criança. Nesses casos, a guarda provisória pode ser solicitada como uma medida temporária até que uma decisão permanente seja tomada.

Parentes próximos, como avós, tios, irmãos ou outros parentes, também podem solicitar a guarda provisória se houver motivos válidos para acreditar que a criança está em perigo ou se os pais não estiverem em condições de cuidar adequadamente dela. Essa solicitação pode ser feita visando a proteção e o bem-estar da criança.

Responsáveis legais ou tutelares, como tutores ou curadores designados pelo tribunal, têm a autoridade para solicitar a guarda provisória se for considerado do interesse da criança e necessário para sua proteção e cuidado.

Além disso, as agências de proteção à criança têm a capacidade de solicitar a guarda provisória em casos de risco iminente, negligência, abuso ou maus-tratos. Essas agências têm a responsabilidade de garantir o bem-estar e a segurança das crianças e podem intervir para protegê-las quando necessário.

É importante destacar que, em todas as situações, a solicitação da guarda provisória deve ser fundamentada no interesse superior da criança e nas circunstâncias específicas do caso. 

As leis e os procedimentos para solicitar a guarda provisória podem variar de acordo com a jurisdição, portanto, é recomendável buscar orientação legal adequada para entender os requisitos e as etapas específicas que devem ser seguidas. 

Um advogado especializado em direito de família pode oferecer aconselhamento jurídico personalizado e orientação sobre como proceder corretamente com a solicitação da guarda provisória. O escritório Galvão & Silva possui advogados especialistas em Direito de Família.

Ligue agora e agende uma reunião.

Quais são os critérios considerados ao decidir sobre a guarda provisória?

Ao decidir sobre a guarda provisória, o tribunal leva em consideração diversos critérios que visam proteger o melhor interesse da criança. 

Esses critérios incluem o bem-estar e a segurança da criança, o vínculo afetivo e estabilidade, a capacidade de cuidado, a relação com outros membros da família, a capacidade de cooperação e comunicação, a estabilidade e continuidade do ambiente da criança, e o histórico de cuidados e conduta.

O objetivo é assegurar que a criança seja colocada em um ambiente seguro e adequado, onde suas necessidades físicas, emocionais e psicológicas sejam atendidas

A decisão sobre a guarda provisória é individualizada e considera as circunstâncias específicas de cada caso, garantindo assim que o melhor interesse da criança seja primordial. O tribunal tem a responsabilidade de tomar uma decisão justa e equilibrada, buscando sempre a proteção e o bem-estar da criança envolvida.

Quais são os direitos e responsabilidades do guardião provisório?

O guardião provisório possui direitos e responsabilidades específicos em relação à criança sob sua guarda. Esses direitos e responsabilidades podem variar de acordo com a jurisdição e as leis aplicáveis, mas geralmente incluem:

  1. Cuidado e proteção: o guardião provisório tem o dever de cuidar da criança e garantir sua segurança, bem-estar e desenvolvimento adequado. Isso inclui prover suas necessidades básicas, como alimentação, moradia, vestuário, educação e saúde.
  2. Tomada de decisões: o guardião provisório tem autoridade para tomar decisões em nome da criança nas áreas de saúde, educação, atividades extracurriculares e outros assuntos relevantes ao seu bem-estar. Essas decisões devem ser tomadas levando em consideração o melhor interesse da criança.
  3. Representação legal: o guardião provisório pode representar legalmente a criança em assuntos jurídicos e administrativos. Isso inclui participar de audiências, assinar documentos legais e atuar como o representante legal da criança perante terceiros.
  4. Relacionamento familiar: o guardião provisório desempenha um papel importante no estabelecimento e na manutenção de um relacionamento saudável com a criança. Ele deve promover um ambiente afetivo, estimular a comunicação e apoiar o desenvolvimento emocional da criança.
  5. Cooperação com as autoridades: o guardião provisório deve cooperar com as autoridades judiciais, assistentes sociais e outros profissionais envolvidos no processo de guarda provisória. Isso inclui fornecer informações solicitadas, comparecer a audiências e cumprir as determinações legais relacionadas à criança.
  6. Prestação de contas: o guardião provisório deve manter registros adequados das despesas relacionadas à criança e estar preparado para prestar contas desses gastos, se solicitado. É importante agir de forma responsável e transparente na administração dos recursos destinados à criança.
  7. Promoção do relacionamento com os pais: quando apropriado e de acordo com as diretrizes legais, o guardião provisório pode ser responsável por promover o relacionamento da criança com seus pais ou outros membros da família, desde que seja considerado benéfico e seguro para a criança.

É fundamental respeitar os direitos e responsabilidades dos guardiões provisórios para garantir o cuidado adequado da criança durante o período de guarda provisória. Os guardiões provisórios devem buscar orientação jurídica e agir dentro dos limites estabelecidos pelas leis e determinações judiciais para cumprir efetivamente suas obrigações e proteger o bem-estar da criança.

Fale com um advogado especialista.

Quais são as diferenças entre guarda provisória e guarda definitiva?

A guarda provisória e a guarda definitiva são duas formas distintas de responsabilidade e cuidado em relação a uma criança. Abaixo estão as principais diferenças entre esses dois tipos de guarda:

Duração: a guarda provisória é uma medida temporária, concedida em situações emergenciais ou quando há incerteza sobre a capacidade dos pais de cuidar da criança. Ela tem um caráter transitório e visa atender às necessidades imediatas de proteção e bem-estar da criança. Por outro lado, a guarda definitiva é uma decisão de longo prazo, que estabelece a responsabilidade permanente sobre a criança e geralmente é obtida após um processo legal mais completo.

Autoridade e responsabilidade: durante a guarda provisória, o guardião provisório assume a responsabilidade de cuidar da criança e tomar decisões em seu nome. No entanto, essa autoridade é temporária e pode ser revista ou modificada conforme necessário. Já na guarda definitiva, o guardião adquire autoridade permanente e é responsável por tomar todas as decisões importantes relacionadas à criança, sem a necessidade de revisões ou interferências regulares.

Estabilidade e segurança: a guarda provisória é estabelecida para atender às necessidades de proteção e segurança imediata da criança, mas pode ser sujeita a mudanças e revisões durante o processo legal. Por outro lado, a guarda definitiva busca proporcionar estabilidade e segurança contínuas à criança, oferecendo um ambiente consistente e seguro para seu desenvolvimento a longo prazo.

Processo legal: a guarda provisória pode ser concedida de forma mais rápida e emergencial, muitas vezes por meio de uma decisão temporária do tribunal. Geralmente, é uma medida tomada para proteger o interesse da criança em situações urgentes. Já a guarda definitiva requer um processo legal mais abrangente, que envolve audiências, avaliações e considerações detalhadas sobre o melhor interesse da criança. É um procedimento mais formal e demorado para estabelecer a responsabilidade permanente sobre a criança.

É importante ressaltar que as leis e procedimentos relacionados à guarda provisória e à guarda definitiva podem variar em diferentes jurisdições. É recomendável consultar um advogado especializado em direito da família para obter informações específicas sobre as leis e regulamentos aplicáveis ao seu caso.

Fale com um advogado especialista.

Quais são os recursos disponíveis para pais ou responsáveis insatisfeitos com a decisão de guarda provisória?

Quando pais ou responsáveis estão insatisfeitos com uma decisão de guarda provisória, existem recursos disponíveis que podem ser utilizados para contestar ou buscar modificações nessa decisão. 

É possível recorrer da decisão de guarda provisória junto a um tribunal superior. O recurso de apelação permite que as partes apresentem argumentos adicionais e solicitem uma revisão da decisão por parte de um juiz de instância superior.

Caso ocorram mudanças significativas nas circunstâncias que justificaram a concessão da guarda provisória, os pais ou responsáveis podem entrar com uma petição para modificar a decisão

Essa petição deve ser fundamentada em fatos e evidências que demonstrem a necessidade de uma alteração na guarda. Em alguns casos, é possível buscar a resolução de disputas por meio de mediação ou conciliação.

Nesses processos, um mediador imparcial auxilia as partes envolvidas a chegarem a um acordo que seja do melhor interesse da criança. Isso pode envolver a revisão da decisão de guarda provisória. 

Em certos casos, é possível solicitar uma avaliação psicossocial para investigar o contexto familiar e as condições de vida dos envolvidos. Um profissional especializado avaliará a situação e poderá fornecer recomendações ao tribunal, que podem influenciar na decisão de guarda provisória.

É fundamental contar com a representação de um advogado especializado em direito da família. O advogado poderá orientar sobre os recursos disponíveis, ajudar na preparação da documentação necessária e apresentar os argumentos de forma adequada perante o tribunal.

Ligue agora e agende uma reunião.

O que acontece quando o adolescente atinge a maioridade durante o período de guarda provisória?

Quando um adolescente atinge a maioridade durante o período de guarda provisória, geralmente não há mais necessidade de continuar com a guarda provisória, uma vez que ele se torna legalmente considerado um adulto. Nesse momento, ele adquire autonomia e responsabilidade legal sobre si mesma.

A guarda provisória é uma medida temporária que visa proteger e cuidar do adolescente durante um período específico, geralmente até que uma decisão de guarda definitiva seja tomada ou até que as circunstâncias que justificaram a guarda provisória sejam resolvidas.

Quando a pessoa completa a maioridade, o tribunal não tem mais jurisdição sobre ela e a guarda provisória deixa de ter efeito legal. A partir desse ponto, o adolescente tem a liberdade de tomar suas próprias decisões e assumir sua própria responsabilidade

Os pais ou responsáveis não têm mais autoridade legal sobre o adolescente, a menos que exista algum outro arranjo legal estabelecido, como uma guarda compartilhada acordada entre as partes.

No entanto, é importante mencionar que em certas situações, mesmo após a maioridade, pode ser necessário estabelecer acordos de suporte financeiro ou outros arranjos relacionados ao bem-estar do adolescente. Isso pode ser discutido e resolvido por meio de negociação entre as partes envolvidas ou por meio de processos legais, se necessário.

As leis e procedimentos relacionados à guarda e emancipação podem variar em diferentes jurisdições, portanto, é aconselhável consultar um advogado especializado em direito da família, como os do escritório Galvão & Silva Advocacia, que são especialistas em Direito de Família, para obter informações específicas sobre as leis aplicáveis no seu caso concreto. Entre em contato conosco.

5/5 - (2 votes)
Autor
Galvão & Silva Advocacia

Artigo escrito por advogados especialistas do escritório Galvão & Silva Advocacia. Inscrita no CNPJ 22.889.244/0001-00 e Registro OAB/DF 2609/15. Conheça nossos autores.

Revisor
Daniel Ângelo Luiz Silva

Advogado especialista, formado pela pela Faculdade Processus em Brasília inscrito nos OAB DF sob o número 54.608, professor e escritor de diversos temas relacionado ao direito brasileiro.

Deixe um comentário ou Sugestão:

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Escritório bem avaliado Temos uma reputação global por fornecer serviços jurídicos excepcionais.
Posts relacionados

Revisão de Alimentos: Direitos do...

Por Galvão & Silva Advocacia

02 maio 2024 ∙ 11 min de leitura

Direitos Hereditários e Reconhecimento de...

Por Galvão & Silva Advocacia

26 abr 2024 ∙ 8 min de leitura

Aspectos Legais da Adoção Socioafetiva:...

Por Galvão & Silva Advocacia

26 abr 2024 ∙ 10 min de leitura

Posts recomendados

Advogado especialista em dívidas bancárias

Por Galvão & Silva Advocacia

28 dez 2020 ∙ 15 min de leitura

Onde nos encontrar
Goiânia - GO
Av. Portugal, n°1148, Sala C 2501 - Edifício Órion Business & Health Complex, Setor Marista, Goiânia - GO CEP: 74.150-030
São Paulo - SP
Avenida Paulista, 1636 - Sala 1504 - Cerqueira César, São Paulo - SP CEP: 01.310-200
Belo Horizonte - BH
Rua Rio Grande do Norte, 1435, Sala 708 - Savassi, Belo Horizonte - MG CEP: 30130-138
Águas Claras - DF
Rua das Pitangueiras 02 Águas Claras Norte, Lote 11/12, Edifício Easy, Mezanino, Brasília - DF CEP: 71950-770
Fortaleza - CE
Rua Monsenhor Bruno, nº 1153, Sala 1423 - Scopa Platinum Corporate, Aldeota, Fortaleza - CE CEP: 60115-191
Florianópolis - SC
Av. Pref. Osmar Cunha, 416, Sala 1108 - Ed. Koerich Empresarial Rio Branco, Centro, Florianópolis - SC CEP: 88015-200
Natal - RN
Avenida Miguel Alcides de Araújo, 1920, Lote A, Capim Macio, Natal - RN CEP: 59078-270
Salvador - BA
Avenida Tancredo Neves, 2539, Sala 2609 - CEO Salvador Shopping Torre Londres, Caminho das Árvores, Salvador - BA CEP: 41820-021
Teresina - PI
Rua Thomas Edson, 2203 - Horto, Teresina - PI CEP: 64052-770
Curitiba - PR
Rua Bom Jesus, Nº 212, Sala 1904 - Juvevê - Curitiba - PR CEP: 80.035-010
João Pessoa - PB
Avenida Dom Pedro I, no 719, sala 104, Tambiá - João Pessoa - PB CEP: 58020-514

©2024 Galvão & Silva - Todos os Direitos Reservados. CNPJ 22.889.244/0001-00 | OAB/DF 2609/15

Entrar em contato pelo WhatsApp
✓ Válido

Olá, tudo bem? Clique aqui e agende uma consulta com o especialista.
Formulário de whatsapp
Ligar
Aguarde um momento enquanto geramos o seu protocolo de atendimento.