Diferença entre furto e roubo: o que implica no sistema legal?

Diferenças Entre Furto e Roubo: Implicações Legais e Penais

25/09/2023

12 min de leitura

Atualizado em

receptacao-dolosa
Furto e roubo, embora ambos crimes contra o patrimônio, divergem em suas naturezas. O furto é a subtração de bem sem violência ou grave ameaça, enquanto o roubo se caracteriza pela subtração mediante violência ou grave ameaça. Essa distinção impacta na tipificação do crime e na pena aplicada.

As diferenças entre furto e roubo são distintas e fundamentais no campo do direito penal. Embora ambos os termos estejam relacionados a crimes contra o patrimônio, possuem características e nuances que os diferenciam significativamente. 

As diferenças entre furto e roubo são, essencialmente, de natureza legal e situacional. Do ponto de vista legal, o Código Penal e outras legislações definem claramente os elementos que caracterizam cada um desses crimes, permitindo assim sua distinção no âmbito jurídico.

O furto, por exemplo, é tipicamente caracterizado pela subtração de bens de outra pessoa, sem que haja emprego de violência ou grave ameaça contra a vítima no momento da ação. Já o roubo envolve a mesma subtração, mas com o uso de violência, ameaça ou intimidação para coagir a vítima ou terceiros a entregar os bens.

Por outro lado, as situações em que esses crimes ocorrem são igualmente importantes. O contexto em que a subtração acontece, se há ou não uso de violência, se a vítima está presente ou ausente, tudo isso pode influenciar a classificação do crime como furto ou roubo, refletindo diretamente nas consequências legais para o infrator.

Assim, compreender tanto os aspectos legais quanto as nuances situacionais é fundamental para discernir e aplicar corretamente as diferenças entre furto e roubo no âmbito jurídico. Essa distinção é crucial para garantir a justiça na avaliação dos casos e na imposição das penas adequadas de acordo com a gravidade de cada situação.

Ligue e agende a sua consultoria com o Advogado Especialista.

Quais são as definições legais de furto e roubo no contexto jurídico?

As diferenças entre furto e roubo são fundamentais no contexto jurídico, e suas definições legais são fundamentais para a aplicação adequada da lei e para a determinação das consequências legais dos atos cometidos. 

No âmbito jurídico, as definições de furto e roubo estão claramente delineadas pelo Código Penal brasileiro e legislações correspondentes em outros países. O furto é definido como a subtração, para si ou para outrem, de coisa alheia móvel, sem o emprego de violência ou grave ameaça à pessoa. 

Nesse tipo de crime, o elemento-chave é a ausência de violência ou ameaça direta à vítima durante a ação de subtrair bens alheios. Por outro lado, o roubo é caracterizado pela subtração de bens alheios, para si ou para outrem, mediante violência ou grave ameaça à pessoa. Aqui, o elemento distintivo é o uso de força, violência física ou ameaças consideráveis à integridade da vítima ou de terceiros para efetuar a subtração.

Essas definições legais são vitais para a justiça e a aplicação do devido processo legal, pois ajudam a determinar a gravidade dos crimes e, consequentemente, as penas adequadas a serem impostas. A compreensão precisa das diferenças entre furto e roubo é essencial para garantir que os infratores sejam responsabilizados de acordo com a lei e para assegurar a proteção dos direitos das vítimas.

Precisando de um Advogado Especialista em sua causa?Somos o escritório certo para te atender.

Como a legislação diferencia ações e intenções em casos de furto e roubo?

As diferenças entre furto e roubo, no que diz respeito a ações e intenções, são distinguidas pela legislação com base nas circunstâncias e na forma como o crime é cometido. A legislação busca avaliar as ações e intenções por trás do ato criminoso.

No furto, a avaliação recai principalmente sobre a ação de subtrair a coisa alheia móvel sem empregar violência ou grave ameaça à pessoa. O foco está na conduta do agente e na ausência de uso de força direta contra a vítima.

Já no roubo, além da subtração dos bens alheios, há a presença de violência ou grave ameaça à pessoa. Aqui, a avaliação vai além da ação de subtrair e inclui a intenção de causar medo, intimidação ou lesão corporal à vítima ou a terceiros.

Qual é o papel da violência ou da ameaça na distinção entre furto e roubo?

As diferenças entre furto e roubo, delineadas pelo papel da violência ou ameaça, são fundamentais para a distinção jurídica entre esses crimes. Esses elementos têm um papel central na definição e tipificação dos delitos, impactando diretamente nas consequências legais para os infratores.

Clique no botão e fale agora com o advogado especialista

No furto, a ausência de violência ou ameaça é uma característica marcante. O crime de furto ocorre quando há a subtração de algo pertencente a outra pessoa sem o uso de força direta ou ameaça de violência contra a vítima. Aqui, o foco está na conduta do agente de retirar algo alheio de forma furtiva, sem chamar atenção ou sem oposição imediata da vítima.

Por outro lado, no roubo, a violência ou a ameaça são elementos essenciais. O roubo acontece quando há a subtração de bens de outra pessoa com a utilização de violência, grave ameaça ou coação contra a vítima. A presença desses elementos diferencia o roubo do furto, tornando-o um crime mais grave, dada a ameaça à integridade física e psicológica da vítima.

Há circunstâncias em que um furto pode ser agravado para um roubo?

As diferenças entre furto e roubo estão relacionadas às circunstâncias específicas de cada crime. Embora furto e roubo sejam distintos principalmente pela presença ou ausência de violência ou ameaça, há situações em que um furto pode ser agravado para um roubo, considerando certas circunstâncias agravantes.

Um furto pode ser elevado à categoria de roubo quando, durante a subtração de bens pertencentes a outra pessoa, ocorre o uso de violência física ou ameaça grave contra a vítima. Por exemplo, se o agente inicialmente planejava apenas subtrair um objeto sem empregar violência, mas acaba recorrendo a essa violência durante a ação, o crime pode ser requalificado de furto para roubo.

Outra circunstância que pode agravar um furto para um roubo é a utilização de armas ou instrumentos que possam causar lesões graves ou morte, mesmo que a vítima não tenha resistido ativamente à ação. O simples porte ou ameaça com uma arma pode transformar um furto em um roubo, aumentando a gravidade do delito e suas implicações legais.

Ligue e agende a sua consultoria com o Advogado Especialista.

Quais são as implicações para a vítima e para o infrator em casos de furto e roubo?

As diferenças entre furto e roubo têm implicações distintas tanto para a vítima quanto para o infrator no contexto jurídico. Vamos explorar essas implicações para ambas as partes.

Para a Vítima

  • Furto: a vítima de furto é aquela que teve seus bens subtraídos sem a presença de violência ou ameaça direta. Geralmente, as vítimas de furto experimentam um sentimento de invasão à privacidade e uma sensação de insegurança em relação à sua propriedade. O impacto emocional pode variar, mas muitas vezes inclui ansiedade, medo e uma sensação de violação;
  • Roubo: já as vítimas de roubo, além de terem seus bens subtraídos, enfrentam o trauma adicional da violência física ou da ameaça. Esse trauma pode ser mais significativo e duradouro, levando a consequências psicológicas graves, como transtorno de estresse pós-traumático (TEPT), ansiedade extrema e depressão. A vítima também pode ter lesões físicas resultantes do ato violento.

Para o Infrator

  • Furto: os infratores de furto enfrentam penalidades legais que, dependendo da jurisdição e das circunstâncias, podem variar em gravidade. As consequências legais podem incluir multas, reparações à vítima e, em alguns casos, prisão. A punição costuma ser menos severa do que no caso do roubo, pois não envolve violência; 
  • Roubo: infratores de roubo enfrentam penalidades mais graves, pois a violência ou a ameaça à vítima agravam o crime. As sanções legais podem incluir penas de prisão consideráveis, multas substanciais e, em alguns casos, a necessidade de compensar financeiramente a vítima pelos danos causados. Além disso, a reincidência em crimes de roubo pode resultar em sentenças ainda mais rigorosas.

Essas implicações destacam a importância de entender as diferenças entre furto e roubo, não apenas para o sistema jurídico, mas também para garantir que a vítima receba o suporte adequado e que as penalidades para os infratores sejam proporcionais à gravidade do crime cometido.

Clique no botão e fale agora com o advogado especialista

Conclusão

As diferenças entre furto e roubo são fundamentais no âmbito jurídico para uma clara definição das infrações e, consequentemente, para a aplicação de penalidades justas. Ao entendermos de maneira precisa o que caracteriza o furto e o que diferencia o roubo, podemos assegurar uma aplicação da lei mais eficaz e apropriada para cada situação.

As diferenças entre furto e roubo são determinantes não apenas para a justiça, mas também para a sociedade como um todo. O furto, sem a presença de violência ou ameaça direta, demanda uma abordagem legal distinta, considerando a essência do ato criminoso. Por outro lado, o roubo, com seu componente de violência ou ameaça, exige uma resposta jurídica mais enérgica, refletindo a gravidade do ato e seu impacto nas vítimas.

Ao compreender as diferenças entre furto e roubo, tanto as vítimas quanto os infratores podem ser tratados de maneira mais justa e apropriada perante a lei. As vítimas podem receber o suporte necessário para superar o trauma e as perdas, enquanto os infratores podem enfrentar as consequências proporcionais a suas ações, visando à ressocialização e à prevenção de futuros delitos.

Desse modo, a compreensão clara e a aplicação eficaz das diferenças entre furto e roubo são pilares essenciais para a efetividade do sistema jurídico e para a promoção de uma sociedade mais segura e justa. As nuances entre essas infrações devem ser continuamente estudadas e compreendidas, contribuindo para uma aplicação mais precisa e adequada da lei.

Precisando de um Advogado Especialista em sua causa?Somos o escritório certo para te atender.

O que é furto?

O furto envolve a subtração de bens alheios sem o uso de violência ou ameaça grave. A ação é discreta, sem que a vítima perceba. Exemplos comuns incluem furtar carteiras em locais movimentados ou objetos deixados em veículos destrancados.

O que é roubo?

O roubo se trata da subtração de bens alheios mediante uso de violência ou grave ameaça à vítima. Nesse caso, ocorre confronto direto entre a vítima e o criminoso. Um exemplo comum de roubo é o assalto à mão armada, em que a vítima é intimidada e ameaçada para entregar todos seus bens.

Quais são as principais diferenças entre furto e roubo?

A principal distinção está relacionada ao uso de violência ou grave ameaça no roubo, enquanto no furto não há confronto direto com a vítima. Normalmente, no furto a subtração ocorre sem a presença da vítima, enquanto que no roubo ocorre o contato e coação direta entre o criminoso e a vítima.

Quais são as penas para furto?

A pena aplicada para casos de furto simples é entre 1 a 4 anos de reclusão, além de multa. Já nos casos em que há agravantes, como no furto qualificado, a pena normalmente é mais severa, variando a depender da gravidade e das circunstâncias de cada caso.

Quais são as penas para roubo?

A pena aplicada para roubo simples é de 4 a 10 anos de reclusão, e multa. Nos casos em que o roubo é qualificado, ou seja, envolvendo uso de armas, lesão corporal grave ou sequestro, a pena poderá aumentar consideravelmente, a partir da gravidade do crime.

Existe furto qualificado?

Sim, o furto qualificado acontece quando há a presença de circunstâncias agravantes, tais como arrombamento, escalada, destreza, ou outras situações que dificultem a fefesa da vítima. Nesses casos, a pena será aumentada, podendo resultar em até 8 anos de reclusão, dependendo da circunstância agravante.

O que é roubo qualificado?

O roubo qualificado inclui situações em que há o uso de armas, lesão corporal grave ou até mesmo a morte da vítima. Nesses casos, a pena poderá variar de 5 a 15 anos de relcusão, podendo ser ainda maior se a ação resultar em morte, se enquadrando nessas circunstâncias como crime de latrocínio.

Como prevenir roubo?

As medidas de prevenção incluem evitar locais perigosos, não ostentar bens de valor, prestar atenção ao entorno, mudar algumas vezes as rotas e horários, implementar e usar serviços de segurança , e caso confrontado, priorizar sempre a segurança pessoal do que os bens materiais.

Como prevenir furto?

As medidas de prevenção incluem trancar portas e janelas, implementar e usar sistemas de segurança diariamente, evitar deixar objetos de valor visíveis, observar com atenção os ambientes movimentados, assim como utilizar dispositivos antifurto em veículos.

O que fazer em caso de furto ou roubo?

Para registrar um boletim de ocorrência, vá à delegacia mais próxima, forneça detalhes do incidente. Notifique bancos ou empresas de cartão de crédito sobre a perda de documentos ou cartões, e considere mudanças na sua rotina de segurança pessoal.

Se você está buscando entender melhor as diferenças entre furto e roubo e como elas podem influenciar o contexto jurídico, conte com o auxílio especializado do escritório Galvão & Silva

Nossos profissionais estão preparados para esclarecer suas dúvidas. Aprofunde seus conhecimentos sobre as diferenças entre furto e roubo com o suporte dos advogados experientes do escritório Galvão & Silva. 

5/5 - (1 vote)
Autor
Galvão & Silva Advocacia

Artigo escrito por advogados especialistas do escritório Galvão & Silva Advocacia. Inscrita no CNPJ 22.889.244/0001-00 e Registro OAB/DF 2609/15. Conheça nossos autores.

Revisor
Daniel Ângelo Luiz Silva

Advogado especialista, formado pela pela Faculdade Processus em Brasília inscrito nos OAB DF sob o número 54.608, professor e escritor de diversos temas relacionado ao direito brasileiro.

Deixe um comentário ou Sugestão:

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Escritório bem avaliado Temos uma reputação global por fornecer serviços jurídicos excepcionais.
Posts relacionados

Fraudes e Crimes Corporativos: Como Proteger...

Por Galvão & Silva Advocacia

19 abr 2024 ∙ 8 min de leitura

Crimes Econômicos: Como um Advogado Criminal...

Por Galvão & Silva Advocacia

10 abr 2024 ∙ 8 min de leitura

Advogado Criminalista em Direito Penal...

Por Galvão & Silva Advocacia

09 abr 2024 ∙ 8 min de leitura

Posts recomendados

Advogado especialista em dívidas bancárias

Por Galvão & Silva Advocacia

28 dez 2020 ∙ 15 min de leitura

Onde nos encontrar
Goiânia - GO
Av. Portugal, n°1148, Sala C 2501 - Edifício Órion Business & Health Complex, Setor Marista, Goiânia - GO CEP: 74.150-030
São Paulo - SP
Avenida Paulista, 1636 - Sala 1504 - Cerqueira César, São Paulo - SP CEP: 01.310-200
Belo Horizonte - BH
Rua Rio Grande do Norte, 1435, Sala 708 - Savassi, Belo Horizonte - MG CEP: 30130-138
Águas Claras - DF
Rua das Pitangueiras 02 Águas Claras Norte, Lote 11/12, Edifício Easy, Mezanino, Brasília - DF CEP: 71950-770
Fortaleza - CE
Rua Monsenhor Bruno, nº 1153, Sala 1423 - Scopa Platinum Corporate, Aldeota, Fortaleza - CE CEP: 60115-191
Florianópolis - SC
Av. Pref. Osmar Cunha, 416, Sala 1108 - Ed. Koerich Empresarial Rio Branco, Centro, Florianópolis - SC CEP: 88015-200
Natal - RN
Avenida Miguel Alcides de Araújo, 1920, Lote A, Capim Macio, Natal - RN CEP: 59078-270
Salvador - BA
Avenida Tancredo Neves, 2539, Sala 2609 - CEO Salvador Shopping Torre Londres, Caminho das Árvores, Salvador - BA CEP: 41820-021
Teresina - PI
Rua Thomas Edson, 2203 - Horto, Teresina - PI CEP: 64052-770
Curitiba - PR
Rua Bom Jesus, Nº 212, Sala 1904 - Juvevê - Curitiba - PR CEP: 80.035-010
João Pessoa - PB
Avenida Dom Pedro I, no 719, sala 104, Tambiá - João Pessoa - PB CEP: 58020-514

©2024 Galvão & Silva - Todos os Direitos Reservados. CNPJ 22.889.244/0001-00 | OAB/DF 2609/15

Entrar em contato pelo WhatsApp
✓ Válido

Olá, tudo bem? Clique aqui e agende uma consulta com o especialista.
Formulário de whatsapp
Ligar
Aguarde um momento enquanto geramos o seu protocolo de atendimento.