Quais são os Princípios do Direito Sucessório ?

Quais são os Princípios do Direito Sucessório ?

19/05/2023

8 min de leitura

Atualizado em

direito-sucessorio

Quando falece um familiar, a família precisa fazer a transmissão dos seus bens, observando com cautela os direitos dos herdeiros. Pensando nisso fizemos um artigo sobre o tema e ao decorrer do artigo veremos os princípios do direito sucessório.

É um tema muito importante e delicado, pois revisita um momento de muita dor, sensibilidade e nervos à flor da pele na família.

Por isso, é importante que tudo seja feito dentro dos trâmites legais e respeitando os direitos de cada herdeiro.

Pensando nisso, preparamos um artigo sobre o assunto e esperamos que no final da leitura você tenha todas as suas dúvidas sanadas.

O que é Direito Sucessório?

Inicialmente, é relevante destacar que o Direito Sucessório é disposto no Código Civil e utilizado para regular o processo de transferência dos bens de uma pessoa depois de seu falecimento para os herdeiros ou legatários.

Assim, para assegurar que a partilha seja realizada de uma forma justa, surgiu o direito das sucessões. Trata-se de uma área com assuntos muito importantes como herança, inventário, por exemplo. A sucessão pode ser feita por meio de testamento, caso o falecido tenha feito um documento determinando a partilha de seus bens segundo a lei.

Fale com um advogado especialista.

Quem são os herdeiros necessários?

Nos moldes do artigo 1.845 do CC, os herdeiros necessários são:

  • Descendentes.
  • Ascendentes.
  • Cônjuge.

Quem são os herdeiros facultativos?

Em consonância com a legislação, os herdeiros facultativos são:

  • Parentes colaterais.
  • Irmãos.
  • Tios.
  • Sobrinhos.
  • Primos até quarto grau.

Saiba um pouco mais sobre os princípios do Direito Sucessório:

Princípio da liberdade absoluta para testar

O referido princípio é disposto no artigo 1.850 do Código Civil, assim, caso o testador queira dispor de seu patrimônio sem favorecer e contemplar os herdeiros colaterais, apenas deve excluir de sua sucessão.

Assim, não possuindo herdeiros necessários, o cidadão poderá dispor de todo o seu patrimônio de maneira plena, isto é, em sua totalidade, uma vez que não há sucessor que necessite ser protegido pela lei.

Ligue agora e agende uma reunião.

Princípio da “saisine”

Importante saber que saisine significa posse de bens. O princípio mencionado é disposto no ordenamento jurídico brasileiro no artigo 1.784 do CC. Então, com a abertura da sucessão, a herança é transmitida para os herdeiros legítimos e testamentários. 

O princípio ainda possui como consequência a transmissão dos direitos hereditários de maneira instantânea, sem necessitar de qualquer ato ou intervenção dos sucessores, tendo em vista que assim que ocorre o falecimento a herança é transmitida.

Princípio da liberdade limitada para testar 

Conforme a disposição do artigo 1.789 do Código Civil Brasileiro, se houver herdeiros necessários, o testador apenas poderá fazer disposição de metade da sua herança.

Através do referido dispositivo legal, fica evidente que temos liberdade para passar parte dos nossos bens para as pessoas que quisermos tornar como herdeiros, porém de forma limitada.

A lei existe para fazer a proteção dos herdeiros necessários e assim não acontecer a privação da sucessão de alguém. Cada indivíduo que possui herdeiro necessário deve assegurar metade de seu patrimônio para eles e a outra metade ficará ao seu critério.

Curiosidades sobre o Direito Sucessório

Além dos princípios do Direito Sucessório, é importante expor algumas curiosidades sobre o tema:

  • Através do Direito Sucessório é possível fazer o reconhecimento de uma paternidade;
  • Não existe a possibilidade de ocupar o lugar do morto, em termos de sucessão;
  • Nessa área é estudada a transferência do bem que acontece depois da morte;
  • A transferência da propriedade e dos direitos, sempre serão produzidos com o falecimento de alguém;
  • O significado da palavra sucessão é o recebimento dos direitos do falecido.

Fale com um advogado especialista.

Qual a documentação necessária para abrir um inventário?

Para fazer a abertura de um inventário é necessário portar os seguintes documentos do falecido:

  • Certidão de óbito;
  • RG e CPF;
  • Certidão de casamento, se houver;
  • Certidão negativa de débito: federal, estadual e municipal com a titularidade do falecido;
  • Certidão de pacto antenupcial, se houver;
  • Escritura pública de união estável, se for companheiros;
  • Certidão sobre a existência de testamento;
  • Comprovante de residência de sua última moradia;
  • Se houver bens, deve apresentar a certidão atualizada pelo cartório responsável, de modo que comprove sua propriedade;
  • Guia de pagamento do IPTU ou algum documento que seja capaz de comprovar o valor venal do imóvel;
  • Certidão negativa de débitos municipais;
  • CCIR – Certificado de Cadastro de Imóvel Rural, se possuir imóveis rurais;
  • Se houver bens móveis é preciso de documentos que comprovam a propriedade ou direito do falecido;
  • RENAVAM para carros;
  • Extrato bancários;
  • Se for dono de empresa ou sócio, deverá ser juntada a certidão da Junta Comercial ou do Cartório de Registro Civil.

Documentação necessária dos herdeiros:

  • RG e CPF
  • Certidão de nascimento recente para solteiros
  • Certidão de casamento atualizada, para casos de casamento, separação judicial e divórcios.
  • Escritura pública de união estável, caso sejam companheiros.

No caso dos herdeiros, a documentação é para fazer prova do parentesco e condição de herdeiro.

O estado civil também será verificado para fazer a separação das cotas durante a divisão dos bens.

Importante ressaltar que a documentação será a mesma para inventários judiciais ou extrajudiciais. 

Ressalta-se que nos inventários judiciais pode ser necessário utilizar mais provas ao longo do processo, diferentemente do extrajudicial

Por isso, peça orientação ao seu advogado especialista em Direito Sucessório sobre como conseguir os documentos essenciais.

Ligue agora e agende uma reunião.

Qual a diferença de inventário judicial e extrajudicial?

O inventário judicial é aquele que usa a justiça para fazer a regularização dos bens do ente que morreu. Assim, por meio de um processo vai ocorrer a partilha de bens.

Possui como vantagem a solução de conflitos mediante um juiz e assegura a proteção dos interesses de herdeiros menores e incapazes. 

Porém, como ponto negativo é possível citar a demora para conclusão do processo, altos custos e a partilha será conforme a lei, não podendo os herdeiros fazer escolhas livres.

Já o inventário extrajudicial é aquele que possui disposição no art. 610, em seu parágrafo primeiro do Código de Processo Civil. Poderá ser realizado se todos os herdeiros concordarem com a divisão e forem capazes.

Possui como vantagem a maior agilidade no processo; o tempo de finalização em geral pode ocorrer em uma semana ou alguns meses; os custos são bem menores em razão da sua menor duração; os herdeiros podem fazer a escolha de qual cartório desejam realizar o inventário.

Já como desvantagens é possível citar que em algumas situações, os bancos podem demorar para fazer a liberação dos recursos que estão nas contas de investimentos, fazendo a exigência de alvarás judiciais, fato que pode aumentar o tempo do procedimento.

Todavia, cumpre destacar que contando com algum interessado incapaz; existindo testamento; divergências entre os herdeiros, também caso o tabelião identifique alguma fraude ou tenha dúvidas sobre a declaração de vontade de algum herdeiro, o inventário deverá ser judicial.

Como ponto semelhante entre as duas formas de inventário é que há a necessidade de nomeação de um inventariante, o prazo para dar entrada no inventário é de sessenta dias depois do falecimento, se não houver o cumprimento, multas poderão ser aplicadas sobre o ITCD.

Por isso, a presença de um advogado é obrigatória para fazer o acompanhamento de ambas as modalidades. Tenha muito cuidado na hora de contratar um escritório de advocacia para auxiliar nesse momento, busque por profissionais capacitados e especializados em Direito Sucessório. 

Fale com um advogado especialista.

Como atua um advogado especialista em Direito Sucessório?

Para atuar corretamente, é necessário que o profissional tenha muita competência e possua enorme conhecimento sobre a área de sua demanda, para que você tenha o auxílio adequado.

Também é importante que o advogado seja adepto de um atendimento humanizado, tendo em vista ser um assunto familiar, capaz de causar várias  emoções aos envolvidos; por isso, é necessário buscar por acordos e evitar conflitos desnecessários.

Qual a importância de um advogado especialista em Direito Sucessório?

Ser auxiliado por um profissional qualificado fará a diferença para que durante a sua demanda, você tenha a tranquilidade de contar com alguém capaz de informar minuciosamente sobre todos os seus direitos.

Se você chegou até aqui, provavelmente perdeu algum familiar ou conhece alguém nessa situação, esperamos que as informações contidas aqui sejam úteis para tirar suas dúvidas.

As questões envolvendo os princípios do Direito Sucessório podem ser complexas e ter vários detalhes, além de fatores emocionais de todas as partes, por isso, o olhar treinado de um profissional capacitado, perspicaz e dedicado poderá fazer toda a diferença para que você consiga o melhor desfecho para a situação.

Todavia, caso ainda tenha alguma dúvida sobre o tema, não tenha vergonha em nos contatar. O nosso escritório, Galvão & Silva, preza por um atendimento de excelência e sua equipe atua com profissionais altamente capacitados e com atendimento humanizado. Sendo assim, nossos advogados especialistas em Direito Sucessório, estão ao seu dispor para auxiliar em suas demandas e estimular a serenidade. Entre em contato conosco sempre que necessário nos da Galvão & Silva advocacia estamos sempre a disposição.

5/5 - (1 vote)
Autor
Galvão & Silva Advocacia

Artigo escrito por advogados especialistas do escritório Galvão & Silva Advocacia. Inscrita no CNPJ 22.889.244/0001-00 e Registro OAB/DF 2609/15. Conheça nossos autores.

Revisor
Daniel Ângelo Luiz Silva

Advogado especialista, formado pela pela Faculdade Processus em Brasília inscrito nos OAB DF sob o número 54.608, professor e escritor de diversos temas relacionado ao direito brasileiro.

Deixe um comentário ou Sugestão:

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Escritório bem avaliado Temos uma reputação global por fornecer serviços jurídicos excepcionais.
Posts relacionados

Indisponibilidade de Bens: Estratégias...

Por Galvão & Silva Advocacia

02 maio 2024 ∙ 16 min de leitura

Advogado para Planejamento Sucessório:...

Por Galvão & Silva Advocacia

11 mar 2024 ∙ 19 min de leitura

Tipos de Sucessão: Quais são? Como...

Por Galvão & Silva Advocacia

28 nov 2023 ∙ 8 min de leitura

Posts recomendados

Advogado especialista em dívidas bancárias

Por Galvão & Silva Advocacia

28 dez 2020 ∙ 15 min de leitura

Onde nos encontrar
Goiânia - GO
Av. Portugal, n°1148, Sala C 2501 - Edifício Órion Business & Health Complex, Setor Marista, Goiânia - GO CEP: 74.150-030
São Paulo - SP
Avenida Paulista, 1636 - Sala 1504 - Cerqueira César, São Paulo - SP CEP: 01.310-200
Belo Horizonte - BH
Rua Rio Grande do Norte, 1435, Sala 708 - Savassi, Belo Horizonte - MG CEP: 30130-138
Águas Claras - DF
Rua das Pitangueiras 02 Águas Claras Norte, Lote 11/12, Edifício Easy, Mezanino, Brasília - DF CEP: 71950-770
Fortaleza - CE
Rua Monsenhor Bruno, nº 1153, Sala 1423 - Scopa Platinum Corporate, Aldeota, Fortaleza - CE CEP: 60115-191
Florianópolis - SC
Av. Pref. Osmar Cunha, 416, Sala 1108 - Ed. Koerich Empresarial Rio Branco, Centro, Florianópolis - SC CEP: 88015-200
Natal - RN
Avenida Miguel Alcides de Araújo, 1920, Lote A, Capim Macio, Natal - RN CEP: 59078-270
Salvador - BA
Avenida Tancredo Neves, 2539, Sala 2609 - CEO Salvador Shopping Torre Londres, Caminho das Árvores, Salvador - BA CEP: 41820-021
Teresina - PI
Rua Thomas Edson, 2203 - Horto, Teresina - PI CEP: 64052-770
Curitiba - PR
Rua Bom Jesus, Nº 212, Sala 1904 - Juvevê - Curitiba - PR CEP: 80.035-010
João Pessoa - PB
Avenida Dom Pedro I, no 719, sala 104, Tambiá - João Pessoa - PB CEP: 58020-514

©2024 Galvão & Silva - Todos os Direitos Reservados. CNPJ 22.889.244/0001-00 | OAB/DF 2609/15

Entrar em contato pelo WhatsApp
✓ Válido

Olá, tudo bem? Clique aqui e agende uma consulta com o especialista.
Formulário de whatsapp
Ligar
Aguarde um momento enquanto geramos o seu protocolo de atendimento.