Valor Mínimo para Bloqueio Judicial ? - Galvão & Silva

Valor Mínimo para Bloqueio Judicial ?

Converse com um advogado

Preencha o formulário abaixo e receba nosso contato personalizado:

13/07/2023

8 min de leitura

Atualizado em

valor-minimo-para-bloqueio-judicial

Você sabe qual é o valor mínimo para bloqueio judicial? Antes de saber o limite permitido para o bloqueio judicial, é preciso entender o que é o bloqueio judicial, quando ele ocorre e como evitar que isso ocorra. Para responder a estas dúvidas preparamos este artigo!

O que é o bloqueio judicial?

O bloqueio judicial é uma medida adotada pelo Poder Judiciário para garantir o cumprimento de uma obrigação ou o pagamento de uma dívida. Ele é realizado por meio de ordem judicial que determina o bloqueio de contas bancárias, investimentos, veículos e outros bens do devedor, como forma de assegurar que o crédito em questão seja satisfeito.

Esta medida é regulamentada pelo Código de Processo Civil (CPC) e pode ser aplicada em diversos tipos de processos, como execuções fiscais, ações de cobrança e ações trabalhistas.

Vale lembrar que o bloqueio judicial deve ser feito dentro dos limites estabelecidos pela lei, respeitando os direitos do devedor e observando as formalidades legais.

Em geral, para que seja realizado o bloqueio judicial de contas bancárias, é necessário que haja uma decisão judicial prévia determinando a penhora dos valores depositados. O juiz responsável pelo caso pode definir o valor a ser bloqueado de acordo com a natureza da dívida e as circunstâncias do caso em questão.

Cabe destacar que o bloqueio judicial causa muitos transtornos e prejuízos para a vida financeira do devedor, sobretudo quando esse devedor é uma pessoa jurídica, dificultando e muitas vezes até inviabilizando as operações empresariais.

No entanto, esse procedimento não é automático, ou seja, antes de ocorrer o bloqueio, o juízo concede ao devedor a oportunidade de se defender, bem como será notificado para adimplir o débito.

A questão é que durante o bloqueio, o devedor estará impedido de realizar transações financeiras relativas aos bens e valores objeto de bloqueio.

Ligue e agende a sua consultoria com o Advogado Especialista.

Como funciona o bloqueio judicial?

O primeiro passo após o decurso do prazo de defesa por parte do devedor, é a expedição da ordem pelo juiz do caso.

Essa ordem judicial conterá o valor, que pode ser parcial ou total, devendo ser considerado o montante total do débito.

O segundo passo é a cientificação do Banco Central do Brasil, por meio do Bacenjud, que irá informar ao juízo quais contas foram encontradas com a titularidade do devedor.

Por fim, o terceiro passo, é a efetivação do bloqueio de tais valores em instituição conveniada com o Poder Judiciário, respeitados os limites legais, ou seja, o valor mínimo para bloqueio judicial.

Qual o valor mínimo para bloqueio judicial?

Vale ressaltar que existe um limite mínimo para o bloqueio judicial, que corresponde a 40 salários mínimos os quais devem estar depositados em uma conta poupança do devedor, como forma de garantir sua dignidade mediante a preservação de um numerário suficiente para sua subsistência, ou seja, não é permitido ultrapassar este montante, frisando que esse limite se refere a valores depositados em conta poupança.

Esse limite, é o que se chama de “valor impenhorável”, válido tanto para a pessoa física, quanto para pessoa jurídica, neste segundo caso, também há limite para o bloqueio judicial, o que diferenciar é que o limite deve respeitar o valor necessário para arcar com as despesas da folha de pagamento da empresa.

O bloqueio judicial é sempre calcado em uma decisão judicial que autoriza esse bloqueio, e somente cumprindo este requisito, o banco acata a ordem e informa o titular da conta, sobre o ocorrido, informando também quais os procedimentos necessários para efetuar o desbloqueio da conta.

É dever da instituição financeira fornecer todas as informações pertinentes ao bloqueio judicial para o devedor, primando pela transparência, ou seja, deve informar ao devedor dados como o número de processo e valor bloqueado.

Por fim, vale ressaltar que uma vez que o bloqueio judicial ocorre, não há prazo para que ele seja encerrado, ou seja, os valores são disponibilizados em uma conta judicial até o juízo autorize a emissão do alvará de levantamento judicial e este seja entregue ao credor por meio de seu advogado, com o intuito de transferir o valor bloqueado a quem de direito oficialmente.

Precisando de um Advogado Especialista em sua causa?Somos o escritório certo para te atender.

Quando ocorre o bloqueio judicial?

O bloqueio judicial é uma medida extrema determinada pelo juízo, quando os outros meios de satisfação do credor não obtiveram sucesso, ou seja, quando um devedor não efetua o pagamento de sua dívida, no curso de um processo judicial.

Assim, uma vez que o devedor não efetua o pagamento do débito espontaneamente, durante as fases do processo judicial em que foi determinada a quitação do débito, fazendo com que o juiz determine a varredura de valores em contas correntes em nome do devedor e bloqueie os valores encontrados para garantir a quitação do débito. 

Quais as consequências do bloqueio judicial?

Após a realização do bloqueio judicial, o devedor ficará impossibilitado de movimentar os valores bloqueados ou transacionar os bens objeto dessa garantia, ou seja, ele não poderá efetivar nenhuma transação envolvendo os valores bloqueados.

Assim sendo, consequência imediata e inevitável do bloqueio judicial, a qual gera muitos transtornos para o devedor, é tornar inacessível ao titular da conta a movimentação de valores, como forma de obrigá-lo a adimplir seu débito.

Desta forma, o devedor somente poderá fazer qualquer movimentação em suas contas, mediante uma autorização do juiz, proferida no âmbito do processo judicial em execução.

Como evitar o bloqueio judicial?

A forma mais indicada de evitar o bloqueio judicial é acompanhar, por meio de um advogado experiente, os processos judiciais em curso, e estar atento a todos os andamentos bem como as oportunidades de manifestação, como apresentação de rol de testemunhas, manifestação sobre documentos juntados, apresentação de laudos periciais etc. exercendo o seu direito de defesa.

Além disso, é fortemente recomendado negociar as dívidas amigavelmente antes que elas se tornem objeto de um processo judicial, o que além de encarecer o montante devido, ainda sujeita o devedor ao bloquei judicial, caso este não esteja acompanhando o processo, e, portanto, podendo ser pego de surpresa.

Clique no botão e fale agora com o advogado especialista

Quando o bloqueio judicial não pode ser feito?

O bloqueio judicial não pode ser feito de maneira indiscriminada, ou seja, sem considerar a natureza da conta bancária e valor mínimo para bloqueio judicial.

Em outras palavras, há certas situações em que o bloqueio judicial de valores não poderá ocorrer, são os casos das chamadas contas impenhoráveis, assim consideradas as contas que se destinam ao crédito de aposentadoria e pensões, contas para pagamento de pensão alimentícia, a conta poupança com até 40 salários mínimos e as contas para recebimento de créditos de natureza alimentar, ou seja, benefícios previdenciários, como auxílio-doença, licença maternidade, assistenciais como o LOAS, ou benefícios sociais como o bolsa-família.

Além desses casos, também não poderá haver bloqueio de contas de empresas, sem observância das regras de bloqueio parcial como forma de preservar os valores destinados ao pagamento dos colaboradores da empresa.

Em outras palavras, não é permitido o bloqueio judicial via Bacenjud de contas que recebem valores destinados a despesas de natureza alimentar, para garantir a subsistência do indivíduo, no caso pessoa física, ou valores destinados a arcar com as despesas da folha de pagamento no caso pessoa jurídica.

Quanto tempo dura o bloqueio judicial?

Vale frisar que não há previsão legal expressa tratando de um prazo determinado para a duração do bloqueio judicial. 

Isso significa que os valores permanecerão indisponíveis, inviabilizando qualquer movimentação ou operação bancária pelo tempo que for necessário, ou seja, até que a o alvará de levantamento em favor do credor seja expedido pelo cartório da vara judicial responsável pela execução do processo, a qual deve ser requerida e autorizada pelo juiz.

Desta forma, é preciso aguardar decisão judicial autorizando o levantamento do alvará e o respectivo desbloqueio dos valores

Em alguns casos, no entanto, é possível solicitar a anulação do bloqueio, desde que demonstradas as razões que justifiquem isso, ou seja, será possível requerer a anulação do bloqueio judicial em casos específicos em que haja alguma ilegalidade e se houver uma decisão judicial nesse sentido.

Precisando de um Advogado Especialista em sua causa?Somos o escritório certo para te atender.

Conclusão 

O bloqueio judicial é um grande transtorno, mas ele pode ser evitado quando o processo é acompanhado corretamente por um advogado capacitado experiente,  por isso, é fundamental contar com o auxílio de um advogado especializado em Direito Civil e Processual Civil que poderá orientar você e a sua empresa em relação aos procedimentos a serem adotados para evitar o bloqueio judicial de contas.

Se você ou a sua empresa deseja maiores informações sobre essas questões envolvendo débitos em processos judiciais, não hesite em buscar ajuda de um advogado especializado em Direito Civil e Processual Civil. Entre em contato conosco e saiba como podemos ajudá-lo a evitar todos os dissabores causados pelo bloqueio judicial de contas bancárias, sejam elas de pessoas físicas ou pessoas jurídicas.

Em nosso escritório você e sua empresa terão acesso a toda assistência necessária em questões cíveis e empresariais, consultando os advogados especialistas do escritório Galvão & Silva. Contamos com profissionais altamente especializados em Direito Civil, Direito Empresarial, Direito do Consumidor, dentre outras áreas específicas. Fale agora mesmo com a nossa equipe da Galvão & Silva. Entre em contato e agende uma consulta para que juntos possamos encontrar a melhor solução para suas necessidades. Clique aqui!

4.4/5 - (8 votes)
Autor
Galvão & Silva Advocacia

Artigo escrito por advogados especialistas do escritório Galvão & Silva Advocacia. Inscrita no CNPJ 22.889.244/0001-00 e Registro OAB/DF 2609/15. Conheça nossos autores.

Revisor
Daniel Ângelo Luiz Silva

Advogado especialista, formado pela pela Faculdade Processus em Brasília inscrito nos OAB DF sob o número 54.608, professor e escritor de diversos temas relacionado ao direito brasileiro.

6 comentários para "Valor Mínimo para Bloqueio Judicial ?"
  1. José Maria Alves dos Santos disse:

    Gostei do artigo parabéns a Galvão e Silva, só gostaria de saber uma dúvida existe uma loja que está falando de bloquear minha conta bancária mas sou assalariado não tenho valores em conta poupança estão me constrangedo oque devo fazer?

    1. Galvão & Silva disse:

      José Maria, obrigada pelo comentário! Temos especialistas que podem atuar em sua demanda, clicando aqui.

  2. Carlos Roberto Alpino disse:

    Sou assalariado com 1900, meu pagamento foi bloqueado judicial, como faço pra desbloquear e fazer acordo?

    1. Galvão & Silva disse:

      Agradecemos o contato senhor Carlos! Para mais informações, entre em contato conosco clicando aqui.

  3. Francisco Alves Santos Filho disse:

    Minha conta foi bloqueada por um débito que eu não tenho conhecimento, só agora que fui fazer uma movimentação financeira que eu descobri o bloqueio, o que eu faço pra resolver está situação?

    1. Galvão & Silva disse:

      Lamentamos o transtorno. Para resolver essa questão, entre em contato conosco através do link https://www.galvaoesilva.com/contato/ e nosso advogado especialista estará pronto para ajudá-lo.

Deixe um comentário ou Sugestão:

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Escritório bem avaliado Temos uma reputação global por fornecer serviços jurídicos excepcionais.
Posts relacionados

(Re)valoração da Prova como Critério de...

Por Galvão & Silva Advocacia

07 maio 2024 ∙ 8 min de leitura

Descumprimento de Ordem Judicial:...

Por Galvão & Silva Advocacia

06 maio 2024 ∙ 11 min de leitura

Processo Suspenso ou Sobrestado por Decisão...

Por Galvão & Silva Advocacia

11 jan 2024 ∙ 9 min de leitura

Posts recomendados

Advogado especialista em dívidas bancárias

Por Galvão & Silva Advocacia

28 dez 2020 ∙ 15 min de leitura

Onde nos encontrar
Goiânia - GO
Av. Portugal, n°1148, Sala C 2501 - Edifício Órion Business & Health Complex, Setor Marista, Goiânia - GO CEP: 74.150-030
São Paulo - SP
Avenida Paulista, 1636 - Sala 1504 - Cerqueira César, São Paulo - SP CEP: 01.310-200
Belo Horizonte - BH
Rua Rio Grande do Norte, 1435, Sala 708 - Savassi, Belo Horizonte - MG CEP: 30130-138
Águas Claras - DF
Rua das Pitangueiras 02 Águas Claras Norte, Lote 11/12, Edifício Easy, Mezanino, Brasília - DF CEP: 71950-770
Fortaleza - CE
Rua Monsenhor Bruno, nº 1153, Sala 1423 - Scopa Platinum Corporate, Aldeota, Fortaleza - CE CEP: 60115-191
Florianópolis - SC
Av. Pref. Osmar Cunha, 416, Sala 1108 - Ed. Koerich Empresarial Rio Branco, Centro, Florianópolis - SC CEP: 88015-200
Natal - RN
Avenida Miguel Alcides de Araújo, 1920, Lote A, Capim Macio, Natal - RN CEP: 59078-270
Salvador - BA
Avenida Tancredo Neves, 2539, Sala 2609 - CEO Salvador Shopping Torre Londres, Caminho das Árvores, Salvador - BA CEP: 41820-021
Teresina - PI
Rua Thomas Edson, 2203 - Horto, Teresina - PI CEP: 64052-770
Curitiba - PR
Rua Bom Jesus, Nº 212, Sala 1904 - Juvevê - Curitiba - PR CEP: 80.035-010
João Pessoa - PB
Avenida Dom Pedro I, no 719, sala 104, Tambiá - João Pessoa - PB CEP: 58020-514

©2024 Galvão & Silva - Todos os Direitos Reservados. CNPJ 22.889.244/0001-00 | OAB/DF 2609/15

Entrar em contato pelo WhatsApp
✓ Válido

Olá, tudo bem? Clique aqui e agende uma consulta com o especialista.
Formulário de whatsapp
Ligar
Aguarde um momento enquanto geramos o seu protocolo de atendimento.