Novas Regras de Pensão por Morte 2024 Novas Regras de Pensão por Morte 2024

Novas Regras de Pensão por Morte 2024

14/02/2022

9 min de leitura

Atualizado em

pensao-por-morte
A pensão por morte, oferecida pelo INSS, é destinada aos dependentes do segurado que faleceu. Esse benefício visa assegurar a estabilidade financeira da família, particularmente em meio às modificações introduzidas pela reforma da previdência.

A pensão por morte é um benefício do INSS para os dependentes do segurado falecido. Serve para garantir o sustento financeiro da família, especialmente após mudanças na reforma da previdência.

Quem for se aposentar através do INSS (Previdência Social) neste ano de 2022 precisa se atentar sobre a reforma da Previdência que teve algumas mudanças, inclusive no beneficio de pensão por morte. Esta recebeu regras automáticas de transição, mudando a concessão de benefícios todos os anos.

Dentre as mudanças, a pontuação para a aposentadoria por tempo de contribuição e por idade é uma delas.

Pensão por morte

Antes mesmo de estudarmos as regras sobre a pensão por morte, precisamos entender sobre o que ela se trata.

A pensão por morte no Brasil trata-se de um benefício previdenciário, regulado pela Lei brasileira 8.213 , onde se encontram os benefícios da previdência social.

Após a mudança em 2021, o tempo de recebimento do benefício ficará inalterado em 2022, visto que, conforme a Lei 13.135 de 2015, a cada três anos, um ano é acrescido nas faixas etárias estabelecidas por portaria do governo federal. Sendo assim, as idades mínimas dos segurados só voltarão aumentar em 2024.

Este benefício é pago para os dependentes do segurado, podendo estar ativo ou aposentado, com o valor referente ao da aposentadoria que ele recebia ou teria o direito de receber.

Os dependentes do beneficiário são classificados em três classes:

  1. Cônjuge e filhos menores de 21 anos ou inválidos;
  2. Pais dos segurados;
  3. Irmãos menores de 21 anos ou inválidos;

Mas para realizar esse procedimento de dependência, é preciso se atentar em algumas regras:

  • Também é denominado cônjuge aquele que vive em união estável com o segurado sem estar oficialmente casado;
  • A pensão alimentícia prova dependência financeira;
  • O juiz poderá emitir sentença declaratória de ausência se a morte for presumida;
  • Não é possível o dependente receber duas pensões, mas é possível que ele opte por receber a de valor mais alto.
  • O dependente só terá direito se não existir o outro dependente de classe anterior a dele;
  • Os dependentes da classe 1 têm dependência econômica presumida, exceto os filhos tutelados e enteados;
  • Os dependentes das demais classes devem comprovar a dependência com seus documentos;
  • O dependente menor de 21 anos deve comprovar que não possui emancipação;
  • O inválido deverá se submeter à perícia médica;
  • Os pais deverão comprovar que o filho faleceu e que os mesmos eram dependentes financeiramente dele;
  • O entendo deverá comprovar a tutela;
  • O cônjuge que não se fazia presente e aquele que dispensou a pensão alimentícia terá direito desde que prove dependência quando o segurado vier a óbito.

Fale com um advogado especialista.

Quais são os requisitos para obter a pensão por morte?

Para obter a pensão por morte é preciso que o indivíduo esteja contribuindo com a Previdência ou estar no prazo que irá garantir a condição de segurado, mesmo que ele não contribua.

Este intervalo é denominado “período de graça”, podendo variar de três meses a três anos. O tempo dependerá da segurada, do tempo que ele contribuiu e se não houve demissão neste período.

Caso o trabalhador tenha mais de dez anos de contribuição ao INSS e for demitido da empresa, independente de contribuir ou não, ele mantém essa cobertura previdenciária por até três anos.

Qual é o valor da pensão por morte?

Esta reforma que houve na previdência estabeleceu novos cálculos do valor da pensão por porte. Para quem já era aposentado, a pensão é de 50% do valor da aposentadoria, mais 10% para cada dependente, limitada a 100%.

Já o cônjuge que não possui dependentes, receberá 60%. Se forem dois dependentes, serão 70%, e se forem três, 80%. Chegará em 100% para cinco ou mais dependentes.

Para quem não era aposentado, o INSS faz o cálculo de quanto seria a aposentadoria por incapacidade permanente da pessoa que morreu. Será considerado 60% da média salarial calculada com todos os salários de contribuição, contados a partir de julho de 1994, com acréscimo de dois pontos percentuais para cada ano de pagamento do INSS que passar de 15 anos de contribuição para as mulheres e 20 anos de contribuição para os homens, até o limite de 100%.

A partir disso o INSS irá aplicar a regra de cota de 50% do valor mais 10% de cada dependente!

Se o segurado falecer devido a um acidente de trabalho ou doença profissional, essas cotas serão aplicadas sobre 100% da média salarial. Isso acontecerá também se o dependente for inválido ou tiver deficiência intelectual, ou mental.

Após a solicitação da pensão por morte, por lei, o INSS concederá o benefício em até 45 dias após o pedido! Se esse pedido for feito em até 90 dias após a morte do segurado, a pensão por morte será paga de forma retroativa, desde a data do falecimento. Se ultrapassar 90 dias para a solicitação, o pagamento será retroativo à data pedido.

Exceto em casos de menores de 16 anos ou dependentes considerados incapazes. Estes terão até 180 dias após a morte para receber os valores retroativos.

Ligue agora e agende uma reunião.

Documentação necessária para solicitar a pensão por morte

  • Certidão de óbito ou documento que comprove a morte do segurado;
  • Em casos de acidente de trabalho, deverá ser apresentada a CAT (Comunicação de Acidente de Trabalho);
  • Atestados sobre a condição de dependente da pessoa que pede o benefício, como a certidão de nascimento em casos de dependentes menores de 21 anos, certidão de nascimento e conta bancária conjunta em casos de pais e irmãos;
  • Documentos pessoais com foto (RG) do dependente e do falecido;
  • Carteira de Trabalho, carnê de recolhimento de contribuição ou demais documentos que comprovem a relação com o INSS;
  • Em casos de solicitação através de um procurador, é necessário apresentar a procuração, documento de identificação com foto e CPF do procurador;

Por quanto tempo a pensão por morte é paga?

Esta duração de pagamento da pensão por morte varia conforme a idade e o tipo do beneficiário.

Marido/Mulher/Companheiro(a)/Cônjuge divorciado/Cônjuge separado que recebe pensão alimentícia:

Duração de quatro meses se a morte ocorrer sem que o segurado tenha feito 18 contribuições mensais e tenha dois anos de casamento/união estável (exceto se o trabalhador morrer por acidente) ou se a morte tenha sido um acidente.

  • Para dependentes com menos de 21 anos a duração da pensão por morte é de três anos;
  • De 21 a 26 anos é de seis anos;
  • De 27 a 29 anos é de dez anos;
  • De 30 a 40 anos é de quinze anos;
  • De 41 a 43 anos é de vinte anos de pensão;
  • A partir de 44 anos a pensão por morte é para a vida toda;

Ligue agora e agende uma reunião.

Quem tem direito à pensão por morte vitalícia?

  • Se o dependente for o cônjuge e tiver 45 anos ou mais;
  • Se o falecimento foi até o fim de 2020, onde o cônjuge estivesse com 44 anos na data do óbito;
  • Se o falecimento aconteceu antes de 2015, onde a lei antiga tem valor e a pensão por morte para os cônjuges era vitalícia independente da idade;

Como posso agilizar o pedido de pensão por morte?

A dificuldade no momento de realização do requerimento é muito comum, visto que esse processo é burocrático e muitas vezes precisa ser agilizado por advogados.

Além de ser extensa, a análise sobre as questões referentes à pensão por morte requer conhecimento técnico para ser colocada em prática. Por isso é indispensável a contratação de um advogado em casos de pensão por morte.

Fale com um advogado especialista.

Onde recorrer em caso de problemas no processo?

Se o pedido de pensão por morte for indeferido pelo INSS, o segurado poderá apresentar o recurso administrativo contra a decisão no prazo de trinta dias. Este será distribuído para a JRPS (Junta de Recursos da Previdência Social) para julgamento pelos Conselheiros do CRPS.

O requerimento de recurso ordinário poderá ser realizado através da ‘internet’, no portal “Meu INSS”.

A segunda opção para esse caso é a propositura de ação judicial.

Nos dois casos é necessário que o beneficiário seja representado por um advogado especialista na área.

Advogado especialista em pensão por morte

Temos a consciência de que o INSS é complicado e burocrático quando se trata de compreensão. O meio judicial é certeiro, justo e habituado para lidar com casos decorrentes da Previdência.

O advogado especialista em pensão por morte é o advogado especialista em direito previdenciário, mas também está por dentro de outras áreas jurídicas, como direito bancário. Esse será a essencial na representação de um caso de pensão por morte. Antes de fazer qualquer ato, é essencial buscar informações seguras com profissionais da área, pois um passo errado poderá refletir diretamente nas soluções para resolver o problema futuramente.

Os advogados do escritório Galvão & Silva são capacitados para entender o lado emocional e jurídico do caso e te deixar por dentro de todas as informações do processo, até que esse benefício esteja em suas mãos!

Portanto, se você está prestes e receber, ou está recebendo a pensão por morte do INSS e crê que os valores estão abaixo do correto, nossos advogados especialistas no direito previdenciário estão disponíveis para te auxiliar na análise do pedido e na busca do seu melhor benefício de pensão por morte do INSS.

Quem tem direito à pensão por morte?

Dependentes como cônjuges, filhos menores de 21 anos, pais e irmãos que dependiam financeiramente do falecido.

Como pedir a pensão por morte?

Apresente certidão de óbito, documentos dos dependentes e comprovantes de dependência econômica ao INSS.

Qual é o valor da pensão por morte?

É 50% do valor que o falecido recebia, mais 10% por dependente, até 100%.

Quanto tempo dura a pensão por morte?

Varia pela idade e condição dos dependentes, podendo ser vitalícia para cônjuges acima de 44 anos ou temporária para filhos até 21 anos.

A pensão por morte pode ser acumulada com outros benefícios?

Sim, pode ser acumulada com outros benefícios previdenciários, respeitando os limites legais.

Entre em contato com nosso escritório e agende uma consultoria especializada! Será um prazer te atender.

4.3/5 - (47 votes)
Autor
Galvão & Silva Advocacia

Artigo escrito por advogados especialistas do escritório Galvão & Silva Advocacia. Inscrita no CNPJ 22.889.244/0001-00 e Registro OAB/DF 2609/15. Conheça nossos autores.

Revisor
Daniel Ângelo Luiz Silva

Advogado especialista, formado pela pela Faculdade Processus em Brasília inscrito nos OAB DF sob o número 54.608, professor e escritor de diversos temas relacionado ao direito brasileiro.

12 comentários para "Novas Regras de Pensão por Morte 2024"
  1. Andréia Lopes Pinheiro disse:

    Muito bom..Obrigada por compartilhar seu conhecimento.

    1. Galvão & Silva disse:

      Agradecemos seu comentário Andréia! Seguimos à disposição.

  2. Luana Paula disse:

    Bom dia meu filho passou a receber pensão por morte desde 9/04/2022 porém o valor é 1/2 salário mínimo ele tem 16 anos na lei o valor não pode s3r abaixo de um salário mínimo?

    1. Galvão & Silva disse:

      Olá Luana podemos te auxiliar! Entre em contato com o nosso advogado especializado em direito previdenciário no link ao lado: https://www.galvaoesilva.com/contato/

  3. Débora disse:

    Boa tarde, meu falecido teve um tempo de 41 anos 7 meses e 29 dias de contribuição ele era funcionário público concursado… quando ele faleceu tinha 63 anos e eu tinha 40 anos… nesse caso eu tenho direito a pensão vitalícia?

    1. Galvão & Silva disse:

      Agradecemos pelo contato senhora Debora! Temos advogados previdenciários especialistas que podem atuar em sua demanda. Entre em contato conosco, clicando aqui.

  4. Keren disse:

    Minha filha está recebendo mais a vó disse que eu teria que dar a metade do dienheiro pra ela até minha filha ficar de maior e eu disse que não ela fez um inferno e foi atrás de uma moça que tem um filho com falecido mais não é registrado , ela está pela justiça pra autorizar o nome do pai da minha filha na certidão do menor com intuito da mae do menor dar entrada tbm no benefício pra poderem dividir entre os 2 , isso tudo com intuito de viganca , gostaria de saber se reduz mesmo sendo de mães diferentes quando o dele for aprovado

    1. Galvão & Silva disse:

      Para questões específicas sobre direito de família e partilha de benefícios entre filhos de pais diferentes, é fundamental a consulta com um advogado especialista. Por favor, entre em contato através do nosso site para mais informações: https://www.galvaoesilva.com/contato/

  5. Mariane disse:

    Gostaria de saber fiquei viúva meu esposo era militar .Sou pensionistas. Caso venha a mim casar novamente qual a possibilidade de perder a pensão do militar?

    1. Galvão & Silva disse:

      Para entender melhor as implicações do seu caso específico e como um novo casamento pode afetar sua pensão militar, recomendo que entre em contato diretamente com um de nossos advogados especialistas. Por favor, visite https://www.galvaoesilva.com/contato/ para mais informações.

  6. Elivania bonfochi disse:

    Eu esposo faleceu em março de 2021 e eu tinha 44 anos mas meu processo saiu em fevereiro de 2024 quanto tempo vou receber o benefício?

    1. Galvão & Silva disse:

      Lamento por sua perda. Para discutir detalhes específicos do seu benefício e entender por quanto tempo você poderá recebê-lo, por favor, entre em contato com um de nossos advogados especialistas através do link: https://www.galvaoesilva.com/contato/

Deixe um comentário ou Sugestão:

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Escritório bem avaliado Temos uma reputação global por fornecer serviços jurídicos excepcionais.
Posts relacionados

Como Fazer o BPC para Idosos em Situação de...

Por Galvão & Silva Advocacia

18 abr 2024 ∙ 8 min de leitura

Documentação Necessária para o BPC/LOAS...

Por Galvão & Silva Advocacia

17 abr 2024 ∙ 5 min de leitura

Direitos Previdenciários: o BPC para Pessoas...

Por Galvão & Silva Advocacia

15 abr 2024 ∙ 8 min de leitura

Posts recomendados

Advogado especialista em dívidas bancárias

Por Galvão & Silva Advocacia

28 dez 2020 ∙ 15 min de leitura

Homologação de sentença estrangeira

Por Galvão & Silva Advocacia

15 jun 2014 ∙ 41 min de leitura

Direito Administrativo

Por Galvão & Silva Advocacia

29 abr 2014 ∙ 28 min de leitura

Onde nos encontrar
Goiânia - GO
Av. Portugal, n°1148, Sala C 2501 - Edifício Órion Business & Health Complex, Setor Marista, Goiânia - GO CEP: 74.150-030
São Paulo - SP
Avenida Paulista, 1636 - Sala 1504 - Cerqueira César, São Paulo - SP CEP: 01.310-200
Belo Horizonte - BH
Rua Rio Grande do Norte, 1435, Sala 708 - Savassi, Belo Horizonte - MG CEP: 30130-138
Águas Claras - DF
Rua das Pitangueiras 02 Águas Claras Norte, Lote 11/12, Edifício Easy, Mezanino, Brasília - DF CEP: 71950-770
Fortaleza - CE
Rua Monsenhor Bruno, nº 1153, Sala 1423 - Scopa Platinum Corporate, Aldeota, Fortaleza - CE CEP: 60115-191
Florianópolis - SC
Av. Pref. Osmar Cunha, 416, Sala 1108 - Ed. Koerich Empresarial Rio Branco, Centro, Florianópolis - SC CEP: 88015-200
Natal - RN
Avenida Miguel Alcides de Araújo, 1920, Lote A, Capim Macio, Natal - RN CEP: 59078-270
Salvador - BA
Avenida Tancredo Neves, 2539, Sala 2609 - CEO Salvador Shopping Torre Londres, Caminho das Árvores, Salvador - BA CEP: 41820-021
Teresina - PI
Rua Thomas Edson, 2203 - Horto, Teresina - PI CEP: 64052-770
Curitiba - PR
Rua Bom Jesus, Nº 212, Sala 1904 - Juvevê - Curitiba - PR CEP: 80.035-010
João Pessoa - PB
Avenida Dom Pedro I, no 719, sala 104, Tambiá - João Pessoa - PB CEP: 58020-514

©2024 Galvão & Silva - Todos os Direitos Reservados. CNPJ 22.889.244/0001-00 | OAB/DF 2609/15

Entrar em contato pelo WhatsApp
✓ Válido

Olá, tudo bem? Clique aqui e agende uma consulta com o especialista.
Formulário de whatsapp
Ligar
Aguarde um momento enquanto geramos o seu protocolo de atendimento.