Reintegração de posse: tudo o que você precisa saber

Reintegração de posse: tudo o que você precisa saber sobre o processo

09/02/2023

5 min de leitura

Atualizado em

reintegracao-de-posse

Deseja entrar com uma ação de reintegração de posse, mas não sabe ao certo como funciona esse processo? Então continue lendo este artigo, pois montamos um guia com tudo o que você precisa saber sobre este tema. 

Inicialmente, a reintegração de posse consiste em uma ação possessória com a finalidade de garantir proteção ao possuidor que sofreu esbulho possessório, ou seja, quando ele perdeu a posse ou a propriedade de um bem por conta da ação de outra pessoa.

Confira o nosso artigo e entenda mais sobre o que é reintegração e como esse processo funciona na Justiça.

O que é reintegração de posse?

Chamada também de ação de esbulho possessório, a reintegração de posse é uma ação judicial especial, cujo objetivo é devolver a posse de uma propriedade para uma pessoa que a perdeu por algum motivo. 

Este tipo de ação está prevista no Código de Processo Civil, em seus artigos 560 a 566. Ainda, há descrição de outras duas modalidades de ações possessórias, as quais visam a preservação da posse de um bem: interdito proibitório e manutenção de posse.

Fale com um advogado especialista.

Quando o processo de reintegração de posse pode ser usado?

O processo de reintegração de posse pode ser usado quando a agressão possessória for o esbulho, que pode ser total ou parcial. Ou seja, ele é indicado para restaurar a posse quando uma pessoa tem o pleno exercício de sua posse.

Reintegração de posse: Quem tem direito? 

Tem direito a este tipo de ação possessória o possuidor, tanto direto quanto indireto, que perdeu a posse de um bem devido ao abuso de confiança, violência ou clandestinidade cometido pelo esbulhador.

Vale lembrar que, nesta ação, o objetivo não é discutir a propriedade do bem, mas sim a sua posse. Dessa forma, a pessoa que requer a reintegração de posse na Justiça não precisa ser, necessariamente, o dono da propriedade. Sendo assim, é preciso confirmar ser o possuidor deste bem, ou seja, da coisa esbulhada. 

Quais os prazos da reintegração de posse?

Para a legitimidade da ação de reintegração de posse, é preciso que o possuidor comprove a data no esbulho, pois esse ponto define qual o procedimento deve ser adotado, o qual pode ser rito especial ou rito comum. Para você entender, o rito especial aceita a liminar de reintegração de posse quando o esbulho ocorreu há menos de 12 meses da data do ajuizamento da ação.

Há, ainda, o rito comum, que não aceita a liminar de reintegração, seguindo o procedimento comum, porém, sem a perda da ação possessória. Além disso, este tipo de ação não impede que haja solicitação tutela de urgência. Ainda, vale destacar que o prazo para entrar com ação de reintegração de posse é de 10 anos. 

Quais as modalidades de ações possessórias?

As ações possessórias, como a reintegração de posse, visam a proteção da posse. Porém, além dela, há a ação denominada turbação, que visa a manutenção de posse; e a ameaça, que se destina ao interdito proibitório.

Para ficar claro, a turbação é a ação de manutenção de posse e não exige que o esbulho tenha sido realizado. Nesse sentido, caso o possuidor seja vítima de perturbações, esse tipo de ação possui legitimidade.

Ou seja, o poder fático do possuidor sobre o bem não precisa ser concretizado. Já o interdito proibitório é a ação possessória, a qual visa a proteção preventiva da posse, no sentido de evitar agressões que possam ameaçar a posse de uma pessoa. 

Ligue agora e agende uma reunião.

Quais as principais alterações na ação de reintegração de posse no Código de Processo Civil?

O Código de Processo Civil trouxe alterações na ação de reintegração de posse. Confira quais são elas nos tópicos seguintes:

Possibilidade de mediação

Uma das novidades no Código de Processo Civil é a possibilidade de mediação para as ações possessórias de manutenção e reintegração de posse, em casos de litígio coletivo pela posse do bem.

A intenção dessa medida é garantir a solução de conflitos com a ajuda de um terceiro, que atua de maneira imparcial e independente, ou seja, um mediador. Essa figura tem o papel de auxiliar os envolvidos a chegar em um acordo satisfatório para ambas as partes.

No caso de litígio coletivo, a audiência de mediação será obrigatória no caso de posse velha. Lembrando que a audiência de mediação deverá acontecer antes de apreciar a liminar.

Caso não haja medida liminar no prazo de 12 meses a partir da data de distribuição, deve haver intimação do Ministério Público para participar da audiência de mediação. Se houver defensoria pública envolvida no caso, ela também deverá participar. 

Regularização de situações de posse envolvendo coletivos de pessoas

O Código de Processo Civil prevê, em seu artigo 565, o litígio coletivo pela posse de imóvel. Ou seja, em ações que envolvem muitas pessoas, elas podem integrar um polo ativo ou passivo da ação, como parte autora ou como parte ré.

Além disso, não há restrição prevista no que se refere ao tipo de litígio, que pode ser por questões urbanas ou rurais. Além disso, a legislação expõe sobre a audiência de mediação em casos onde o esbulho ou turbação ocorreu há mais de ano e dia. 

Conclusão

Entendeu o que é reintegração de posse e quando ela pode ser usada? Então se você precisa ingressar com esse tipo de ação junto à Justiça, conte com o auxílio de um advogado especializado.

Saiba que a melhor assistência em processos de ações possessórias você encontra no escritório Galvão & Silva Advocacia, que conta com profissionais experientes e especializados. Entre em contato e agende a sua consulta para que possamos te ajudar na resolução da sua demanda.

2.9/5 - (13 votes)
Autor
Galvão & Silva Advocacia

Artigo escrito por advogados especialistas do escritório Galvão & Silva Advocacia. Inscrita no CNPJ 22.889.244/0001-00 e Registro OAB/DF 2609/15. Conheça nossos autores.

Revisor
Daniel Ângelo Luiz Silva

Advogado especialista, formado pela pela Faculdade Processus em Brasília inscrito nos OAB DF sob o número 54.608, professor e escritor de diversos temas relacionado ao direito brasileiro.

Deixe um comentário ou Sugestão:

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Escritório bem avaliado Temos uma reputação global por fornecer serviços jurídicos excepcionais.
Posts relacionados

6 Dúvidas Comuns Sobre o Direito de...

Por Galvão & Silva Advocacia

03 maio 2024 ∙ 9 min de leitura

Transações Imobiliárias: Dicas Essenciais...

Por Galvão & Silva Advocacia

22 abr 2024 ∙ 8 min de leitura

Rescisão Contratual de Imóveis: 10...

Por Galvão & Silva Advocacia

19 abr 2024 ∙ 9 min de leitura

Posts recomendados

Advogado especialista em dívidas bancárias

Por Galvão & Silva Advocacia

28 dez 2020 ∙ 15 min de leitura

Onde nos encontrar
Goiânia - GO
Av. Portugal, n°1148, Sala C 2501 - Edifício Órion Business & Health Complex, Setor Marista, Goiânia - GO CEP: 74.150-030
São Paulo - SP
Avenida Paulista, 1636 - Sala 1504 - Cerqueira César, São Paulo - SP CEP: 01.310-200
Belo Horizonte - BH
Rua Rio Grande do Norte, 1435, Sala 708 - Savassi, Belo Horizonte - MG CEP: 30130-138
Águas Claras - DF
Rua das Pitangueiras 02 Águas Claras Norte, Lote 11/12, Edifício Easy, Mezanino, Brasília - DF CEP: 71950-770
Fortaleza - CE
Rua Monsenhor Bruno, nº 1153, Sala 1423 - Scopa Platinum Corporate, Aldeota, Fortaleza - CE CEP: 60115-191
Florianópolis - SC
Av. Pref. Osmar Cunha, 416, Sala 1108 - Ed. Koerich Empresarial Rio Branco, Centro, Florianópolis - SC CEP: 88015-200
Natal - RN
Avenida Miguel Alcides de Araújo, 1920, Lote A, Capim Macio, Natal - RN CEP: 59078-270
Salvador - BA
Avenida Tancredo Neves, 2539, Sala 2609 - CEO Salvador Shopping Torre Londres, Caminho das Árvores, Salvador - BA CEP: 41820-021
Teresina - PI
Rua Thomas Edson, 2203 - Horto, Teresina - PI CEP: 64052-770
Curitiba - PR
Rua Bom Jesus, Nº 212, Sala 1904 - Juvevê - Curitiba - PR CEP: 80.035-010
João Pessoa - PB
Avenida Dom Pedro I, no 719, sala 104, Tambiá - João Pessoa - PB CEP: 58020-514

©2024 Galvão & Silva - Todos os Direitos Reservados. CNPJ 22.889.244/0001-00 | OAB/DF 2609/15

Entrar em contato pelo WhatsApp
✓ Válido

Olá, tudo bem? Clique aqui e agende uma consulta com o especialista.
Formulário de whatsapp
Ligar
Aguarde um momento enquanto geramos o seu protocolo de atendimento.