Tribunais de Contas: Função, Importância e Análise Tribunais de Contas: Função, Importância e Análise

Tribunais de Contas: Função, Importância e Análise

Por Galvão & Silva Advocacia

0 Comentários

9 min de leitura

tribunais-de-contas

Os Tribunais de Contas são órgãos técnicos independentes que existem em diversos países, incluindo o Brasil, tendo como principal função a fiscalização contábil, financeira, orçamentária, operacional e patrimonial das entidades da administração direta e indireta, tanto da União quanto dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios, sob os aspectos da legalidade, legitimidade, economicidade, aplicação das subvenções e renúncia de receitas. Eles atuam de forma preventiva e corretiva, contribuindo para a melhoria da administração pública e a prevenção de irregularidades.

O que são os Tribunais de Contas?

O Tribunal de Contas é uma instituição fundamental para a democracia e a gestão pública eficiente. A sua função, importância e análises são essenciais para garantir a correta aplicação dos recursos públicos e a legalidade das ações governamentais. Neste artigo, abordaremos o papel desse órgão na administração pública, destacando sua relevância para a sociedade.

Ligue e agende a sua consultoria com o Advogado Especialista.

Qual é a composição dos Tribunais de Contas? 

Os Tribunais de Contas são compostos por membros denominados conselheiros no âmbito dos estados e municípios (Tribunais de Contas dos Estados – TCEs e Tribunais de Contas dos Municípios – TCMs, onde existirem) e ministros no Tribunal de Contas da União (TCU), no âmbito federal. A composição e o processo de nomeação desses membros variam conforme o nível do tribunal (federal, estadual ou municipal) e estão previstos na Constituição Federal do Brasil e em legislações específicas.

Tribunal de Contas da União (TCU)

Composição: o TCU é composto por 9 ministros.

Nomeação: os ministros são nomeados pelo Presidente da República, após aprovação da escolha pelo Senado Federal. Dentre os 9 ministros, um terço (3 ministros) é escolhido dentre auditores e membros do Ministério Público junto ao TCU, indicados em lista tríplice pelo próprio Tribunal, conforme critérios de antiguidade e merecimento. Os dois terços restantes (6 ministros) são escolhidos livremente pelo Presidente da República.

Tribunais de Contas dos Estados (TCEs)

Composição: a quantidade de conselheiros varia de acordo com o estado, mas geralmente os TCEs são compostos por 7 conselheiros.

Nomeação: os conselheiros são nomeados seguindo um processo que envolve diferentes esferas do governo estadual. De cada 5 conselheiros que precisam ser escolhidos, 3 são selecionados pela Assembleia Legislativa e os outros 2 conselheiros são escolhidos diretamente pelo Governador do estado. 

Precisando de um Advogado Especialista em sua causa?Somos o escritório certo para te atender.

Mas há uma regra especial para essas escolhas feitas pelo Governador: uma dessas vagas precisa ser ocupada por um auditor e a outra por um membro do Ministério Público de Contas. Ambos devem ser escolhidos de uma lista tríplice. 

Essa lista é uma espécie de seleção prévia que aponta três candidatos qualificados para cada vaga, baseando-se em critérios como experiência e desempenho profissional, ou seja, quem tem mais tempo de serviço (antiguidade) e quem se destacou pelo trabalho realizado (merecimento).

Tribunais de Contas dos Municípios (TCMs)

Composição e nomeação: onde existem, os TCMs seguem uma lógica similar aos TCEs em termos de composição e processo de nomeação, adaptada à realidade municipal. A composição e o processo de nomeação variam conforme a legislação local.

Critérios gerais

Para ser membro de um Tribunal de Contas, seja ministro ou conselheiro, o indivíduo deve atender a certos requisitos constitucionais, como idoneidade moral, reputação incorrupta, notórios conhecimentos jurídicos, contábeis, econômicos e financeiros ou de administração pública, além de mais de dez anos de exercício de função ou de efetiva atividade profissional que exija os conhecimentos mencionados.

Para que servem os Tribunais de Contas?

Os Tribunais de Contas têm como função principal a fiscalização da administração pública, tanto em nível federal, quanto estadual e municipal, dependendo da esfera de atuação de cada Tribunal. Suas funções podem ser resumidas nos seguintes pontos: 

Fiscalização contábil, financeira, orçamentária, operacional e patrimonial: Eles examinam a legalidade, legitimidade, economicidade, aplicação das subvenções e renúncia de receitas das contas públicas, envolvendo todos os órgãos e entidades que utilizam, arrecadam, guardam, gerenciam ou administram dinheiro, bens e valores públicos.

Clique no botão e fale agora com o advogado especialista

Julgamento das contas dos administradores públicos: Os Tribunais de Contas julgam as contas dos administradores públicos e demais responsáveis por dinheiros, bens e valores públicos. Isso inclui a análise das contas anuais dos chefes do Executivo (prefeitos, governadores e o presidente da República), além de outras contas específicas submetidas à sua jurisdição.

Avaliação da legalidade de atos de admissão de pessoal e concessão de aposentadorias, reformas e pensões: Antes da sua efetivação, esses atos devem ser registrados pelo Tribunal de Contas competente, que verifica a conformidade com as leis aplicáveis.

Realização de auditorias e inspeções: essas atividades são realizadas para verificar a correta aplicação dos recursos públicos, a eficiência e eficácia da gestão pública, além de identificar possíveis irregularidades ou desvios.

Aplicação de sanções: em caso de ilegalidade de despesas ou irregularidades nas contas, os Tribunais de Contas têm autoridade para aplicar sanções aos responsáveis, que podem variar desde multas até a inabilitação para o exercício de cargo público, como exemplo podemos citar a inelegibilidade dos chefes do Poder Executivo.

Auxílio ao Poder Legislativo: embora tenham autonomia e independência, os Tribunais de Contas auxiliam o Poder Legislativo (câmaras municipais, assembleias legislativas e o congresso nacional) no exercício do controle externo, emitindo pareceres prévios sobre as contas dos chefes do Executivo, que serão julgadas por estes órgãos legislativos.

A função dos Tribunais de Contas é, portanto, essencial para a transparência, a prestação de contas e a boa governança no uso dos recursos públicos, contribuindo para prevenir e combater a corrupção, garantir a legalidade e promover a eficiência na administração pública.

Ligue e agende a sua consultoria com o Advogado Especialista.

Qual é a importância dos Tribunais de Contas? 

A importância dos Tribunais de Contas está presente em diversos aspectos relacionados ao bom funcionamento da administração pública e à manutenção da integridade e transparência na gestão dos recursos públicos. Eles desempenham um papel importante em várias especificidades:

Garantia de legalidade e legitimidade: ao fiscalizar a aplicação dos recursos públicos, os Tribunais de Contas asseguram que o dinheiro público seja utilizado conforme as leis e regulamentos vigentes, respeitando os princípios da legalidade, legitimidade e economicidade.

Promoção da transparência: a atividade desses órgãos incrementa significativamente a transparência na gestão dos recursos públicos. Ao disponibilizar relatórios detalhados e acessíveis, eles possibilitam que os cidadãos tenham visibilidade sobre a destinação e utilização dos fundos públicos, promovendo a participação cívica e o controle social efetivo.

Prevenção e combate à corrupção: através de mecanismos de auditoria, inspeção e imposição de sanções, os Tribunais de Contas são instrumentos proativos na detecção, prevenção e repressão de atos de corrupção na esfera pública. Esta função é importante para preservar a integridade e a confiança nas instituições públicas.

Eficiência e eficácia administrativa: a avaliação da gestão dos recursos públicos realizada por esses tribunais estimula a eficiência e eficácia administrativa. Eles incentivam práticas que melhoram a alocação e utilização dos recursos, contribuindo para a otimização dos serviços prestados à sociedade.

Fortalecimento da democracia: os Tribunais de Contas fortalecem a democracia ao exercerem o controle externo da administração pública, complementando a atuação dos poderes tradicionais (Executivo, Legislativo e Judiciário). Eles fortalecem o arcabouço democrático ao garantir maior responsabilização dos gestores públicos, assegurando que estes atuem com transparência e de acordo com o interesse público.

Clique no botão e fale agora com o advogado especialista

Auxílio ao Poder Legislativo: esses órgãos auxiliam diretamente o Poder Legislativo, fornecendo análises técnicas e pareceres sobre as contas dos administradores públicos. Tal suporte é indispensável para o exercício do controle financeiro e orçamentário, viabilizando uma fiscalização mais efetiva das finanças públicas.

Estímulo ao desenvolvimento sustentável: ao promover práticas de boa governança e responsabilidade na gestão dos recursos, os Tribunais de Contas contribuem para o desenvolvimento sustentável. Eles asseguram que os recursos sejam empregados de maneira eficiente, priorizando projetos e ações que beneficiem coletivamente a sociedade e respeitem o meio ambiente.

Como é feita a análise dos Tribunais de Contas?

A análise realizada pelo Tribunal de Contas envolve um conjunto de procedimentos técnicos destinados a avaliar a gestão dos recursos públicos por parte de entidades governamentais e responsáveis pela administração pública. De forma resumida, o processo pode ser descrito em etapas:

Planejamento da auditoria: nesta fase define-se a finalidade, os objetivos, o período de análise e as entidades que serão inspecionadas. Nesta fase, são identificados os principais riscos e áreas críticas para foco da auditoria.

Execução da auditoria: envolve a coleta de evidências, que podem ser documentos, registros contábeis, contratos, e outros elementos que comprovem a legalidade, legitimidade, economicidade, eficiência e eficácia da gestão dos recursos públicos. São realizadas inspeções, entrevistas e análises documentais.

Ligue e agende a sua consultoria com o Advogado Especialista.

Análise dos dados: os dados coletados são analisados para verificar a conformidade com as leis, normas, regulamentos e princípios da administração pública. Avalia-se também a eficiência e eficácia das ações governamentais em relação aos objetivos pretendidos.

Elaboração de relatórios: após a análise, são elaborados relatórios que apresentam os achados da auditoria, indicando possíveis irregularidades, ineficiências ou desvios. Estes relatórios incluem recomendações para correção dos problemas identificados.

Julgamento: com base nos relatórios, os Tribunais de Contas julgam as contas das entidades auditadas, podendo aprovar, rejeitar ou aplicar sanções em casos de irregularidades. Este julgamento pode resultar em determinações para que os gestores públicos adotem medidas corretivas.

Monitoramento: acompanha-se a implementação das recomendações e determinações emitidas pelo Tribunal de Contas para garantir que as correções sejam efetivamente realizadas.

Conclusão

O Tribunal de Contas desempenha um papel importante na fiscalização da gestão pública, assegurando que os recursos públicos sejam utilizados de maneira eficaz e em benefício da população. A sua atuação promove maior transparência e responsabilidade, contribuindo para o fortalecimento da democracia e o desenvolvimento sustentável. 

Portanto, compreender a função, importância e análise realizada por este órgão é essencial para todos os cidadãos interessados em uma gestão pública eficiente e transparente.

Precisando de um Advogado Especialista em sua causa?Somos o escritório certo para te atender.

Este artigo buscou esclarecer o papel dos Tribunais de Contas na administração pública brasileira, contudo, entende-se que compreender assuntos dessa dimensão talvez não seja uma tarefa tão fácil assim. Caso ainda tenha dúvidas em relação ao tema, entre em contato conosco. Procure o escritório Galvão & Silva. Contamos com um quadro de profissionais altamente qualificados e preparados para melhor atendê-lo.

5/5 - (1 vote)

___________________________

Artigo escrito por advogados especialistas do escritório Galvão & Silva Advocacia. Inscrita no CNPJ 22.889.244/0001-00 e Registro OAB/DF 2609/15.
Conheça nossos autores.


Atualizado em 30 de abril de 2024

Deixe um comentário ou Sugestão:

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Escritório bem avaliado Temos uma reputação global por fornecer serviços jurídicos excepcionais.

Posts relacionados

Melhor advogado para Recurso Extraordinário

Por Galvão & Silva Advocacia

08 maio 2024 ∙ 8 min de leitura

(Re)valoração da Prova como Critério de...

Por Galvão & Silva Advocacia

07 maio 2024 ∙ 8 min de leitura

Por que contratar o Melhor Advogado para...

Por Galvão & Silva Advocacia

07 maio 2024 ∙ 8 min de leitura

Posts recomendados

Advogado especialista em dívidas bancárias

Por Galvão & Silva Advocacia

28 dez 2020 ∙ 14 min de leitura

Homologação de sentença estrangeira

Por Galvão & Silva Advocacia

15 jun 2014 ∙ 41 min de leitura

Direito Administrativo

Por Galvão & Silva Advocacia

29 abr 2014 ∙ 28 min de leitura

Onde nos encontrar
Goiânia - GO
Av. Portugal, n°1148, Sala C 2501 - Edifício Órion Business & Health Complex, Setor Marista, Goiânia - GO CEP: 74.150-030
São Paulo - SP
Avenida Paulista, 1636 - Sala 1504 - Cerqueira César, São Paulo - SP CEP: 01.310-200
Belo Horizonte - BH
Rua Rio Grande do Norte, 1435, Sala 708 - Savassi, Belo Horizonte - MG CEP: 30130-138
Águas Claras - DF
Rua das Pitangueiras 02 Águas Claras Norte, Lote 11/12, Edifício Easy, Mezanino, Brasília - DF CEP: 71950-770
Fortaleza - CE
Rua Monsenhor Bruno, nº 1153, Sala 1423 - Scopa Platinum Corporate, Aldeota, Fortaleza - CE CEP: 60115-191
Florianópolis - SC
Av. Pref. Osmar Cunha, 416, Sala 1108 - Ed. Koerich Empresarial Rio Branco, Centro, Florianópolis - SC CEP: 88015-200
Natal - RN
Avenida Miguel Alcides de Araújo, 1920, Lote A, Capim Macio, Natal - RN CEP: 59078-270
Salvador - BA
Avenida Tancredo Neves, 2539, Sala 2609 - CEO Salvador Shopping Torre Londres, Caminho das Árvores, Salvador - BA CEP: 41820-021
Teresina - PI
Rua Thomas Edson, 2203 - Horto, Teresina - PI CEP: 64052-770
Curitiba - PR
Rua Bom Jesus, Nº 212, Sala 1904 - Juvevê - Curitiba - PR CEP: 80.035-010
João Pessoa - PB
Avenida Dom Pedro I, no 719, sala 104, Tambiá - João Pessoa - PB CEP: 58020-514

©2024 Galvão & Silva - Todos os Direitos Reservados. CNPJ 22.889.244/0001-00 | OAB/DF 2609/15

Entrar em contato pelo WhatsApp
✓ Válido

Olá, tudo bem? Clique aqui e agende uma consulta com o especialista.
Formulário de whatsapp
Ligar
Aguarde um momento enquanto geramos o seu protocolo de atendimento.