Erro médico em prótese de silicone - Galvão & Silva Erro médico em prótese de silicone - Galvão & Silva

Erro médico em prótese de silicone

Por Galvão & Silva Advocacia

2 Comentários

11 min de leitura

Erro-medico-em-protese-de-silicone

A cirurgia plástica é uma das especialidades mais destacadas em processos judiciais por erro médico no Brasil. Continue lendo para entender mais sobre erro médico em prótese de silicone.

A maior parte dessas ações tem uma motivação em comum: a insatisfação com o resultado do procedimento estético, daí a busca do judiciário para a reparação civil em virtude de erro médico.

O Superior Tribunal de Justiça (STJ)  considera que a responsabilidade civil do cirurgião plástico para com o paciente, na cirurgia embelezadora, é de obrigação de resultados. Como consectário, quando o profissional esteta não alcança o resultado prometido e contratado, abre-se margem para um processo por erro médico, devido à insatisfação do paciente com o resultado estético.

Dentre as principais causas de processos após procedimentos estéticos, destaca-se: promessa de um resultado estético que não é alcançado; deformação ou deformidade de estruturas corporais, levando a insatisfação maior que antes do procedimento; desenvolvimento de cicatrizes excessivamente aparentes ou hipertróficas; complicações cirúrgicas como infecções, lesões de órgãos e eventos tromboembólicos.

Genival Veloso de França (Direito Médico, Ed. 11ª, 2013) afirma que “nem todo mal resultado pode ser rotulado como erro médico”.

Genival Veloso de França (Direito Médico, Ed. 11ª, 2013)

Nesse sentido, com fundamento no extrato da análise das normas exaradas do art. 186 e 927, do Código Civil de 2002, em conjunto com o art. 14, § 4º, do Código de Defesa do Consumidor, pratica erro médico o profissional que desenvolve procedimento estético, seja o(a) médico(a), dentista, esteticista, mediante a prática de ato ilícito, conduta culposa, nexo de causalidade e dano.

Fale com um advogado especialista.

Erro médico nos procedimentos cirúrgicos de prótese de silicone

Segundo o eminente Genival Veloso de França, o erro médico, quase sempre por culpa, é uma forma de conduta profissional inadequada que supõe uma inobservância técnica, capaz de produzir um dano à vida ou à saúde do paciente. É o dano sofrido pelo paciente que possa ser caracterizado como imperícia, negligência ou imprudência do médico, no exercício de suas atividades profissionais. Levam-se em conta as condições do atendimento, a necessidade da ação e os meios empregados (In Direito médico, por Genival Veloso de França, 12. ed. rev., atual. e ampl. Rio de Janeiro: Forense, 2014, p. 258/259).

Vê-se, portanto, que o termo erro médico, para corresponder a uma responsabilidade civil e, por conseguinte, obrigação de o profissional reparar a paciente por erro médico no procedimento cirúrgico de implante de prótese de silicone, exige-se a comprovação dos requisitos previstos na lei.

Leia também sobre Erro Médico Hospitalar por Infecção Hospitalar

O fundamento da responsabilidade civil está na alteração do equilíbrio social, produzida por um prejuízo causado a um dos seus membros. O dano sofrido por um indivíduo preocupa todo o grupo porque, egoisticamente, todos se sentem ameaçados pela possibilidade de, mais cedo ou mais tarde, sofrerem os mesmos danos, menores, iguais e até maiores (Hermes Rodrigues de Alcântara, Responsabilidade médica, Rio de Janeiro: José Konfino, 1971 – citado por Genival Veloso de França, Direito Médico, Ed. 12ª, 2014).

A literatura médica classifica a cirurgia plástica em estética (embelezadora ou cosmetológica) e reparadora.

O erro médico, nesse contexto, poderá surgir de conduta de implante de prótese de silicone na cirurgia embelezadora e reparadora.

Ligue agora e agende uma reunião.

Consentimento informado e esclarecido

A informação adequada e clara prestada pelo profissional que exerce medicina estética é um pressuposto ou requisito prévio do consentimento livre da paciente. Segundo a doutrina (França, 2014, pág. 167), é necessário que o paciente dê seu consentimento sempre de forma livre e consciente e as informações sejam acessíveis aos seus conhecimentos.

Para que esse consentimento seja juridicamente válido, ele deve ser dado por alguém capaz e as informações isentas de vícios.

Não se pode esquecer que estas informações, quando passadas ao paciente, devem ser numa linguagem que permita o devido esclarecimento e a consciente permissão.

Não parece ser adequado a paciente assinar o termo no balcão apenas na presença de um terceiro empregado do estabelecimento médico, que não seja o profissional competente para explicar as cláusulas do instrumento, violando a autonomia da vontade do paciente-consumidor.

Viola, de igual modo, a autonomia da vontade da paciente, o termo assinado após explicação somente sobre as vantagens do procedimento de implante de silicone. A paciente-consumidora deve ser informada quanto às vantagens e às desvantagens do procedimento estético de silicone na sua saúde.

O termo de consentimento não é um salvo-conduto para o profissional intervir danosamente na saúde e vida da paciente. Outrossim, não exime o profissional de responder por erro médico. A depender do caso concreto, pode haver a atenuação do montante indenizatório, no caso de responsabilidades recíprocas da paciente e profissional, ou excludente de responsabilidade civil por caso fortuito, força da natureza ou culpa exclusiva da vítima.

§ 3º. Art. 14, CDC

A ideia de que a informação adequada é um requisito prévio do consentimento da paciente é que esta deve ser orientada pelo profissional de medicina estética quanto aos exames pré-operatórios e se apontam alguma alteração a impactar no resultado negativo do silicone nos seios, por exemplo.

Fale com um advogado especialista.

O Código de Defesa do Consumidor (Lei n.º 8/087/90) no art. 6º, III expressa que são direitos básicos do consumidor a informação adequada e clara sobre os diferentes produtos e serviços, com especificação correta de quantidade, características, composição, qualidade, tributos incidentes e preço, bem como sobre os riscos que apresentem.

Portanto, a lei consumerista é cogente ao dizer que a informação deve ser adequada e clara, nesta hipótese, no procedimento de cirurgia plástica de implante de silicone.

Nessa linha de interpretação, a negligência informacional no contexto de procedimento estético de implante de silicone que ocasionou danos a paciente configura erro médico e gera o direito a reparação de danos, ainda que inexistente o dano físico considerado estético decorrente de erro médico propriamente dito no procedimento de implante de silicone.

Nesse sentido, entendeu a 6ª Turma do Tribunal de Justiça do Distrito Federal:

Comprovado que não foi observado o dever de informação quanto aos riscos inerentes à utilização do produto, aplicado no corpo da paciente e que o procedimento realizado ocasionou imperfeições que não existiam antes da intervenção médica, gerando nítida lesão na sua aparência, além de graves problemas de saúde, cabível a compensação (indenização) dos danos estéticos e morais.

Fonte: APELAÇÃO CÍVEL 0027401-77.2015.8.07.0001, Des. José Divino, Acórdão 1178989, 6ª Turma Cível/TJDFT.

Ligue agora e agende uma reunião.

Natureza da obrigação

Apesar de o procedimento estético ter natureza de resultados, e o reparador de meios, ou misto – resultado e meios –, pode sobre-existir, nessas hipóteses, o dano estético a estrutura física e morfológica interna e externa da paciente.

Na obrigação de meios existe o compromisso da utilização de todos os recursos disponíveis para se ter um resultado, sem, no entanto, a obrigação de alcançar esse êxito tão legítimo. Busca-se, é claro, um resultado, mas, em não se cumprindo – e inexistindo a culpa do devedor -, não há o que cobrar. (página 147).

Na obrigação de resultado, como é o caso do procedimento cirúrgico de implante de silicone, a prestação do serviço tem um fim definido. Se não houver o resultado esperado, há inadimplência e o devedor assume o ônus por não satisfazer a obrigação que prometeu.

Hoje, mesmo em especialidades consideradas como obrigação de resultado, como na cirurgia puramente estética, já se olha com reservas esse conceito tão radical de êxito absoluto, pois o correto é decidir pelas circunstâncias de cada caso (página 149).

Iturraspe, citado por França, ensina que na obrigação de resultado o devedor assume o compromisso de alcançar um objetivo ou conseguir um efeito almejado.

Via de regra, a obrigação do médico é de meio, com exceção na cirurgia estética.

Nos casos de maus resultados em erro médico na cirurgia de implante de silicone, em que se procure comprovar um erro médico, o que se deve considerar, antes de mais nada, além do nexo causal e do tamanho do dano, é o grau da previsibilidade do autor em produzir o resultado danoso e a culpa suficientemente demonstrada, dentro das espécies negligencia, imprudência e imperícia.

Fale com um advogado especialista.

Requisitos ou pressupostos caraterizadores do erro médico em prótese de silicone

A responsabilidade civil gira em torno de duas teorias: a subjetiva e a objetiva.

Sobrevindo o erro médico do implante de silicone, no procedimento estético ou reparador, a teoria a ser suscitada na análise da responsabilidade do profissional esteta será a subjetiva, nos termos do art. 1º, do Código de Ética Médica, art. 186 e 927, do Código Civil, e art. 14, § 4º, do Código de Defesa do Consumidor.

É sabido que em se tratando de medicina estética, via de regra, a responsabilidade civil do médico é subjetiva, com culpa presumida, porquanto assume obrigação de resultado, de modo que incumbe ao paciente comprovar a conduta culposa do médico, os danos sofridos e o nexo de causalidade (APELAÇÃO CÍVEL 0027401-77.2015.8.07.0001, Des. José Divino, Acórdão 1178989, 6ª Turma Cível/TJDFT).

Assim, configura erro médico pelo médico, dentista, esteticista ou outro profissional autorizado pelo conselho competente, em procedimento de medicina estética, ou de cirurgia de implante de prótese de silicone, a conduta praticada por ato ilícito, por imprudência, negligência e imperícia, nexo de causalidade e dano injusto.

Ligue agora e agende uma reunião.

Ato ilícito

O Código Civil 02 no art. 186 afirma que comete ato ilícito aquele que, por ação ou omissão voluntária, negligência ou imprudência, violar direito e causar dano a outrem, ainda que exclusivamente moral.

“Art. 186. Aquele que, por ação ou omissão voluntária, negligência ou imprudência, violar direito e causar dano a outrem, ainda que exclusivamente moral, comete ato ilícito”.

Vê-se, portanto, que o ato ilícito é a atuação médica, mediante culpa, contrária a lei e o direito, mas não é só isso, é o exercício da profissão médica em dissonância a lex artis médicas, conjunto de regras consagradas pela prática médica atual. Daí a importância de se analisar detidamente a conduta profissional à luz da literatura e circunstâncias.

Culpa stricto sensu

Verifica-se a culpa stricto sensu do profissional – negligência, imprudência ou imperícia – omitir os protocolos de atendimento adequado pré, intra e pós-cirúrgico, as boas práticas em medicina estética ou cirurgia estética como recomenda a Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica, ou produzir alterações física interna ou externa na paciente.

Nexo de causalidade

O nexo de causalidade é outro elemento ou pressuposto do erro médico no procedimento de prótese de silicone, sem o qual, exclui a obrigação do profissional indenizar a vítima. Por isso, o dano deve ser a causa direta e imediata da conduta culposa do médico. Estabelecer o nexo causal ou a relação de causa e efeito é primordial para o desfecho do êxito da demanda indenizatória por erro médico derivado de prótese de silicone.

Dano

O dano pode ser patrimonial (material/prejuízo) e extrapatrimonial. Este é o gênero do qual são espécies: dano moral e estético, dentre outros, como existencial, à imagem, a perda de uma chance e até ao projeto de vida.

O dano – lesivo – deve ser resultante da conduta inadequada ou ato culposo do médico, sem o qual o ato ilícito não assume relevância.

Indenização por erro médico no procedimento de cirurgia para implante de prótese de silicone

Demonstrados indubitavelmente os pressupostos da responsabilidade civil dispostos no art. 186 do CC/02, surge a obrigação do profissional indenizar (CC, Art. 927) a vítima pelos danos causados por este erro médico em virtude de defeito da prótese de silicone.

A indenização por erro médico por prótese de silicone poderá ser a título de compensação por danos morais experimentados pela paciente, como sentimentos negativos de depressão, angústia, medo e violação aos aspectos da personalidade (vida, saúde, imagem, intimidade e privacidade).

Outrossim, a mesma indenização pode ter por finalidade o ressarcimento ao patrimônio da vítima do erro médico com assistência médica, hospitalar e medicamentosa, desde que resultante do erro.

Sempre deixamos claro a necessidade de uma orientação especializada, pois além das questões jurídicas, o Advogado Especialista em Erro Médico, deve estar caminhando lado a lado do Cliente em um momento sensível como esse.

Precisa de ajuda? Entre em contato e agende uma consultoria.
Nossa esquipe de Advogados Especialistas poderá te orientar da melhor maneira possível.

3.5/5 - (6 votes)

___________________________

Artigo escrito por advogados especialistas do escritório Galvão & Silva Advocacia. Inscrita no CNPJ 22.889.244/0001-00 e Registro OAB/DF 2609/15.


Atualizado em 31 de julho de 2023

2 respostas para “Erro médico em prótese de silicone”

  1. Veridiane disse:

    Acho que o médico colocou uma prótese menor da que foi combinado. Pois eu tinha uma prótese de 325 e ele ia trocar por uma de 375ml, porém ficou menor do que a prótese que eu tinha. O que eu posso fazer pra ter certeza do tamanho colocado? E se realmente o dr colocou uma menor quais são os meus direitos?

Deixe um comentário ou Sugestão:

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Escritório bem avaliado

Temos uma reputação global por fornecer serviços jurídicos excepcionais.

Posts relacionados

Erro Hospitalar e Erro Médico: Entendendo as...

Por Galvão & Silva Advocacia

17 abr 2024 ∙ 6 min de leitura

Carência no Plano de Saúde: Direitos do...

Por Galvão & Silva Advocacia

03 abr 2024 ∙ 6 min de leitura

Dano Moral e Estético: Entendendo os...

Por Galvão & Silva Advocacia

21 mar 2024 ∙ 8 min de leitura

Posts recomendados

Advogado especialista em dívidas bancárias

Por Galvão & Silva Advocacia

28 dez 2020 ∙ 8 min de leitura

Homologação de sentença estrangeira

Por Galvão & Silva Advocacia

15 jun 2014 ∙ 41 min de leitura

Direito Administrativo

Por Galvão & Silva Advocacia

29 abr 2014 ∙ 21 min de leitura

Onde nos encontrar

Goiânia - GO

Av. Portugal, n°1148, Sala C 2501 - Edifício Órion Business & Health Complex, Setor Marista, Goiânia - GO CEP: 74.150-030

São Paulo - SP

Avenida Paulista, 1636 - Sala 1504 - Cerqueira César, São Paulo - SP CEP: 01.310-200

Belo Horizonte - BH

Rua Rio Grande do Norte, 1435, Sala 708 - Savassi, Belo Horizonte - MG CEP: 30130-138

Águas Claras - DF

Rua das Pitangueiras 02 Águas Claras Norte, Lote 11/12, Edifício Easy, Mezanino, Brasília - DF CEP: 71950-770

Fortaleza - CE

Rua Monsenhor Bruno, nº 1153, Sala 1423 - Scopa Platinum Corporate, Aldeota, Fortaleza - CE CEP: 60115-191

Florianópolis - SC

Av. Pref. Osmar Cunha, 416, Sala 1108 - Ed. Koerich Empresarial Rio Branco, Centro, Florianópolis - SC CEP: 88015-200

Natal - RN

Avenida Miguel Alcides de Araújo, 1920, Lote A, Capim Macio, Natal - RN CEP: 59078-270

Salvador - BA

Avenida Tancredo Neves, 2539, Sala 2609 - CEO Salvador Shopping Torre Londres, Caminho das Árvores, Salvador - BA CEP: 41820-021

Teresina - PI

Rua Thomas Edson, 2203 - Horto, Teresina - PI CEP: 64052-770

Curitiba - PR

Rua Bom Jesus, Nº 212, Sala 1904 - Juvevê - Curitiba - PR CEP: 80.035-010

João Pessoa - PB

Avenida Dom Pedro I, no 719, sala 104, Tambiá - João Pessoa - PB CEP: 58020-514

©2024 Galvão & Silva - Todos os Direitos Reservados. CNPJ 22.889.244/0001-00 | OAB/DF 2609/15

Entrar em contato pelo WhatsApp
✓ Válido

Olá, tudo bem? Clique aqui e agende uma consulta com o especialista.
Formulário de whatsapp
Ligar
Auarde um momento enquanto geramos o seu protocolo de atendimento.