Direito Médico

O IGESDF e o DF respondem Solidariamente por erro médico e hospitalar

Galvão & Silva Advocacia - Foto Autor
Por Galvão & Silva Advocacia.
0 Comentário

Erro médico e Dano Moral: Decisão Importante que o Escritório obteve

Em 20 de maio de 2019, a parte autora ajuizou ação de reparação civil de danos morais por erro hospitalar, em desfavor do Distrito Federal e IGESDF, em razão da morte de paciente, sua genitora, resultante de infecção hospitalar contraída no âmbito hospitalar administrado pelo instituto.

O juízo da fazenda púbica ao qual o processo fora distribuído, em Decisão Interlocutória, declarou-se incompetente para julgar o processo e, então, declinou a competência para uma das varas cíveis, sob o fundamento da ilegitimidade do Distrito Federal, mantendo-se apenas o IGESDF no polo passivo: “Com a exclusão do DISTRITO FEDERAL da lide, mantém-se como réu somente o IGESDF, que é pessoa jurídica de direito privado sem fins lucrativos, como já destacado acima.”

Da Decisão Interlocutória a autora, filha da paciente falecida, interpôs Recurso de Agravo de Instrumento, o qual fora conhecido e julgado provido pela 7ª Turma Cível do TJDFT, reformando assim a decisão do juízo de primeiro grau.

No julgamento do Recurso de Agravo de Instrumento, o Tribunal entendeu:

Ementa:

AGRAVO DE INSTRUMENTO. REPARAÇÃO DE DANO MORAL. SERVIÇOS DE SAÚDE. IGESDF. RESPONSABILIDADE DO DISTRITO FEDERAL. EXCLUSÃO DO ENTE ESTATAL E DECLINAÇÃO DA COMPETÊNCIA AO JUÍZO CÍVEL.      

  1. Cabe agravo de instrumento contra decisão interlocutória sobre a exclusão de litisconsorte e, segundo a tese firmada no Tema 988 dos recursos especiais repetitivos, a taxatividade do rol previsto no art. 1.015 do CPC deve ser mitigada quando verificada a urgência decorrente da inutilidade do julgamento da questão no recurso de apelação, tal como na decisão que declara a incompetência do juízo.
  2. O Instituto de Gestão Estratégica de Saúde do Distrito Federal – IGESDF, nova nomenclatura dada pela Lei distrital nº 6.270/2019 ao Instituto Hospital de Base do Distrito Federal – IHBDF – criado pela Lei distrital nº 5.899, de 3 de julho de 2017 –, é pessoa jurídica de direito privado, constituída sob a forma de serviço social autônomo, sem fins lucrativos, de interesse coletivo e de utilidade pública, haja vista o Decreto distrital nº 39.674/2019, o qual revogou o Decreto nº 38.332/2017. Nada obstante, a delegação dos serviços de assistência à saúde ao IGESDF não exclui o dever do Distrito Federal e, portanto, não afasta a responsabilidade do ente federado, que é solidária embora de execução subsidiária.
  3. A responsabilidade dos entes da federação nas demandas prestacionais de saúde decorre do art. 196 da Constituição Federal e, no Distrito Federal, do art. 204 da LODF, inclusive o Supremo Tribunal Federal firmou tese jurídica no Tema 793 da repercussão geral. Na omissão do dever de controle e fiscalização, há responsabilidade solidária da Administração de execução subsidiária, significando que o Estado integra o título executivo sob a condição de, como devedor-reserva, somente ser convocado a quitar a dívida se o devedor principal não o fizer.
  4. Não cabendo a exclusão do Distrito Federal, não há falar em incompetência do juízo da Fazenda Pública para processar e julgar o feito, uma vez que este é privativo do Distrito Federal e de sua administração descentralizada, conforme a disciplina do art. 26, inc. I, da Lei nº 11.697/2008, na redação anterior à Lei nº 13.850/2019 – vigente quando do ajuizamento da ação.
  5. Agravo de instrumento conhecido e provido. Agravo interno não conhecido porquanto prejudicado.

(AI 0711417-73.2019.8.07.0000. 7ª Turma Cível do TJDFT. Desembargador Relator Fábio Eduardo Marques. Publicação: 4/5/2020).

Essa decisão, além de inovar como precedente jurídico, traz contornos de institutos jurídicos imprescindíveis a nortear magistrados na análise da competência para processo e julgamento de demandas envolvendo a responsabilidade civil do DF e IGESDF, por falhas na prestação de serviços médico e hospitalar.

Da decisão do Tribunal, não cabe mais recurso, tendo em vista que transitou em julgado, em 15/6/2020.

Preencha o formulário ao lado e fale com nosso advogado especialista em erro médico.

Galvão & Silva Advocacia - Foto Autor
Por Galvão & Silva Advocacia.
Atualizado em 22 de junho de 2020.

Comentários ( 0 )

Fale o que você pensa

Precisa de um advogado especialista?

Nosso escritório de advocacia conta com uma equipe qualificada de advogados especializados em cada área do direito, sempre em busca de soluções céleres, financeiramente vantajosas e menos desgastantes. Fale conosco agora mesmo.



Onde nos encontrar

Nosso escritório localizado no Venancio Shopping na Asa Sul
Asa Sul

SCS Quadra 08, Venâncio Shopping, Bloco B-60, 2º Andar, Salas 203 e 204 – Brasília-DF CEP: 70.333-900

Ver no mapa
Nosso escritório localizado no edifício Easy em Águas Claras
Águas Claras

Rua das Pitangueiras 02 Águas Claras Norte - Brasília DF, Lote 11/12, Edifício Easy, Mezanino

Ver no mapa

Entre em contato

Receba nosso contato personalizado

✓ Válido

Suas informações estão seguras

Entre em contato

Receba nosso contato personalizado

✓ Válido

Suas informações estão seguras