Lei de Responsabilidade Fiscal e Qual é a sua Importância Lei de Responsabilidade Fiscal e Qual é a sua Importância

Lei de Responsabilidade Fiscal e Qual é a sua Importância

Por Galvão & Silva Advocacia

0 Comentários

8 min de leitura

o-que-e-a-lei-de-responsabilidade-fiscal

A Lei Complementar n. 101/2000, conhecida como Lei de Responsabilidade Fiscal, instituiu as normas de finanças públicas voltadas para a responsabilidade na gestão fiscal, fundamentando-se na Constituição Federal.

A gestão fiscal no sistema tributário brasileiro, por meio da Lei de Responsabilidade Fiscal, deve ser desenvolvida com planejamento e transparência. Com estes dois pilares há a redução de riscos e manutenção do equilíbrio das contas públicas.

O escritório Galvão e Silva Advocacia possui advogados especialistas e experientes em Direito Tributário. Neste artigo, vamos falar sobre a importância da Lei de Responsabilidade Fiscal no cenário tributário brasileiro.

Cabe mencionar, que a Lei de Responsabilidade Fiscal delimita metas e diretrizes para o gasto público de cada ente federativo. E, é através da renúncia ou restrição de despesas, que seria possível preservar o equilíbrio fiscal dos entes da Federação.

A importância da Lei de Responsabilidade Fiscal

A Lei de Responsabilidade Fiscal é um conjunto de normas que orientam e limitam a política fiscal dos governos. Por meio dela, são estabelecidas as regras para o uso e aplicação dos recursos públicos.

Essas regras fixam os limites ao endividamento público, ao aumento da despesa e ao crescimento dos impostos. A Lei de Responsabilidade Fiscal tem como objetivo aumentar a transparência na administração pública, a responsabilidade fiscal, o controle dos gastos públicos e a melhoria do controle dos recursos públicos. 

A Lei Complementar n. 101/2000, também tem o intuito de assegurar que os recursos públicos sejam utilizados de forma eficaz e eficiente, de acordo com os princípios da boa governança.

Dessa forma, a importância da Lei de Responsabilidade Fiscal está nos limites que ela impõe, determinando que os governos tenham atitudes como planejar, executar e prestar contas quanto ao uso da verba pública em benefício da população.

Observa-se que a Lei de Responsabilidade Fiscal aumenta a transparência da administração pública, fazendo com que as despesas tenham finalidade e não permitindo as alterações desproporcionais nos tributos. 

Por meio desta lei, os contribuintes têm acesso às informações sobre as despesas e os investimentos realizados pelo governo. Desta forma, é possível acompanhar o destino dos recursos e verificar a eficiência da administração pública.

O escritório Galvão e Silva Advocacia possui advogados especialistas em Direito Tributário e neste artigo estamos demonstrando a importância da Lei de Responsabilidade Fiscal para o cenário tributário brasileiro.

Ligue e agende sua consultoria com o Advogado Especialista em Direito Tributário.

Lei de Responsabilidade Fiscal: planejamento

A Lei de Responsabilidade Fiscal, ao projetar o equilíbrio das contas públicas, fixou a importância do planejamento. Neste sentido, a Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) e a Lei Orçamentária Anual (LOA) foram alteradas em alguns pontos.

Os projetos das leis orçamentárias são de responsabilidade do Presidente da República, são alterados e votados pelo Congresso Nacional. Após a votação, os projetos orçamentários retornam para o Executivo para que, após sanção, seja executado.

O Orçamento da União determina quanto será gasto por meio de programas, projetos e ações que visam melhorar a qualidade de vida da população. Assim, o governo pode aplicar recursos em áreas como saúde, educação, segurança, infraestrutura, entre outras. 

A Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) deve ser elaborada anualmente, com o objetivo de fixar as prioridades do governo para o ano seguinte. E, esta Lei deverá fazer uma avaliação sobre o cumprimento das metas relativas ao ano anterior.

Com importância semelhante, a Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO), deverá conter Anexo de Riscos Fiscais, para avaliação dos passivos contingentes e dos riscos capazes de afetar as contas públicas, conforme artigo 4º, § 3o, da Lei de Responsabilidade Fiscal.

Quanto à Lei Orçamentária Anual (LOA) deverá ser elaborado projeto com: a) demonstrativo de compatibilidade entre orçamento e objetivos; b) demonstrativo de compensação a renúncia de despesas; c) reserva de contingência com base na receita corrente líquida.

Ligue e agende sua consultoria com o Advogado Especialista em Direito Tributário.

Lei de Responsabilidade Fiscal: limites de despesas

As despesas públicas não podem ser desenfreadas e por vontade individual de um político. Neste sentido, a Lei de Responsabilidade Fiscal concede segurança política, econômica e social para o país.

Por meio da Lei Complementar n. 101/2000, conhecida como Lei de Responsabilidade Fiscal, há o estabelecimento de limites para despesas. Por exemplo, a União tem o limite máximo para gastos com pessoal de 50% da Receita Líquida Corrente, distribuídas da seguinte forma:

  • 2,5 % para o Poder Legislativo, incluindo o Tribunal de Contas;
  • 6 % para o Judiciário;
  • 0,6 % para o Ministério Público da União;
  • 3 % para custeio de despesas do DF e de ex territórios;
  • 37,9% para o Poder Executivo.

Os Estados têm o limite máximo para gastos com pessoal de 60% da Receita Líquida Corrente, distribuídas da seguinte forma:

  • 3% para o Poder Legislativo, incluindo o Tribunal de Contas;
  • 6% para o Poder Judiciário;
  • 2% para o Ministério Público;
  • 49% para as demais despesas de pessoal do Executivo. 

E, os municípios têm o limite máximo para gastos com pessoal de 60% da Receita Líquida Corrente, distribuídas da seguinte forma:

  • 6% para o Legislativo, incluindo o Tribunal de Contas;
  • 54% para o Executivo.

A inovação da Lei de Responsabilidade Fiscal, no âmbito das despesas, é que os Três Poderes (Legislativo, Executivo e Judiciário) estão inseridos no planejamento tributário e os limites devem ser respeitados, caso contrário, são aplicadas penalidades aos governantes.

Quanto à dívida pública consolidada, trata-se do montante total das obrigações financeiras dos entes federativos, assumidas em razão de leis, contratos, convênios ou tratados, conforme artigo 29 da Lei Complementar n. 101/2000.

O Executivo deverá submeter ao Senado Federal as propostas de limites globais para o montante da dívida consolidada da União, Estados e Municípios. E, ao Congresso Nacional projeto de lei que estabeleça limites para o montante da dívida mobiliária federal.

As propostas ao Senado Federal e ao Congresso Nacional, nos exatos termos do § 1º, artigo 30 da Lei Complementar n. 101/2000, deverão conter:

  • Demonstração de que os limites e condições guardam coerência com as normas estabelecidas nesta Lei Complementar e com os objetivos da política fiscal;
  • Estimativas do impacto da aplicação dos limites a cada uma das três esferas de governo;
  • Razões de eventual proposição de limites diferenciados por esfera de governo;
  • Metodologia de apuração dos resultados primário e nominal.

Portanto, as despesas deverão ser condizentes com os limites da Lei de Responsabilidade Fiscal, porém não apenas ditas, mas também demonstradas pelas metas, objetivos, impactos e metodologias adotadas pelo Executivo.

Aqui, cabe ressaltar que o Executivo precisará do aval do Congresso Nacional para aprovação dos gastos públicos e após liberação da verba, ao longo de todo o ano administrativo haverá avaliação dos limites das despesas apresentadas.

O escritório Galvão e Silva Advocacia possui advogados especialistas em Direito Tributário e neste artigo estamos esclarecendo como a Lei de Responsabilidade Fiscal alterou o cenário tributário brasileiro.

Ligue e agende sua consultoria com o Advogado Especialista em Direito Tributário.

O impacto da Lei de Responsabilidade Fiscal para o cenário tributário brasileiro

A Lei de Responsabilidade Fiscal foi criada em 2000 com o intuito de melhorar a gestão fiscal, modernizar as finanças públicas, aumentar a transparência e reduzir o déficit fiscal do Brasil

O principal objetivo da Lei de Responsabilidade Fiscal é estabelecer responsabilidades e obrigações do governo federal, estadual e municipal, bem como limitar a capacidade de gastar acima de seus meios. 

A Lei de Responsabilidade Fiscal tem um forte impacto no cenário tributário brasileiro. Inicialmente, por ter estabelecido limites aos gastos públicos, o que levou a uma redução da concessão de benefícios fiscais e ao aumento da arrecadação de impostos. 

E, posteriormente, por ter estabelecido limite para a dívida pública, permitindo a redução da inflação e estabilização das contas públicas. Porém, também teve impacto político, uma vez que durante o período de eleições há restrições impostas.

Isso é, durante o período de eleição a Lei de Responsabilidade Fiscal impede que haja a contratação de operações de crédito por antecipação de receita orçamentária; é proibido contrair despesas que não possam ser pagas no mesmo ano; e, é proibida qualquer ação que aumente a despesa com pessoal.

Com essas restrições adicionais para o controle das contas públicas, objetiva-se diminuir o risco de compra de votos e trocas de favores parlamentares. Portanto, a Lei de Responsabilidade é de grande importância para o cenário tributário e político brasileiro.

Conclusão

Neste artigo, vimos que a Lei de Responsabilidade Fiscal é importante porque representa um enorme avanço na forma de administrar os recursos que os contribuintes colocam à disposição dos governantes, por meio dos tributos.

A Lei de Responsabilidade Fiscal tem por objetivo estabelecer limites para os gastos públicos, a fim de evitar a ocorrência de desequilíbrios nas finanças públicas, como o aumento da dívida pública.

O escritório Galvão e Silva Advocacia possui advogados especialistas em Direito Tributário, que atuam em prol de pessoas físicas e jurídicas. Caso você tenha dúvidas sobre o pagamento de tributos e questões relacionadas, fale conosco!

5/5 - (1 vote)

___________________________

Artigo escrito por advogados especialistas do escritório Galvão & Silva Advocacia. Inscrita no CNPJ 22.889.244/0001-00 e Registro OAB/DF 2609/15.
Conheça nossos autores.


Atualizado em 8 de novembro de 2023

Deixe um comentário ou Sugestão:

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Escritório bem avaliado Temos uma reputação global por fornecer serviços jurídicos excepcionais.

Posts relacionados

Elisão e Evasão Fiscal: Saiba as...

Por Galvão & Silva Advocacia

17 abr 2024 ∙ 8 min de leitura

Dúvidas Comuns sobre Planejamento Fiscal e...

Por Galvão & Silva Advocacia

16 abr 2024 ∙ 8 min de leitura

Aspectos Tributários da Renegociação de...

Por Galvão & Silva Advocacia

20 mar 2024 ∙ 8 min de leitura

Posts recomendados

Advogado especialista em dívidas bancárias

Por Galvão & Silva Advocacia

28 dez 2020 ∙ 15 min de leitura

Homologação de sentença estrangeira

Por Galvão & Silva Advocacia

15 jun 2014 ∙ 41 min de leitura

Direito Administrativo

Por Galvão & Silva Advocacia

29 abr 2014 ∙ 28 min de leitura

Onde nos encontrar
Goiânia - GO
Av. Portugal, n°1148, Sala C 2501 - Edifício Órion Business & Health Complex, Setor Marista, Goiânia - GO CEP: 74.150-030
São Paulo - SP
Avenida Paulista, 1636 - Sala 1504 - Cerqueira César, São Paulo - SP CEP: 01.310-200
Belo Horizonte - BH
Rua Rio Grande do Norte, 1435, Sala 708 - Savassi, Belo Horizonte - MG CEP: 30130-138
Águas Claras - DF
Rua das Pitangueiras 02 Águas Claras Norte, Lote 11/12, Edifício Easy, Mezanino, Brasília - DF CEP: 71950-770
Fortaleza - CE
Rua Monsenhor Bruno, nº 1153, Sala 1423 - Scopa Platinum Corporate, Aldeota, Fortaleza - CE CEP: 60115-191
Florianópolis - SC
Av. Pref. Osmar Cunha, 416, Sala 1108 - Ed. Koerich Empresarial Rio Branco, Centro, Florianópolis - SC CEP: 88015-200
Natal - RN
Avenida Miguel Alcides de Araújo, 1920, Lote A, Capim Macio, Natal - RN CEP: 59078-270
Salvador - BA
Avenida Tancredo Neves, 2539, Sala 2609 - CEO Salvador Shopping Torre Londres, Caminho das Árvores, Salvador - BA CEP: 41820-021
Teresina - PI
Rua Thomas Edson, 2203 - Horto, Teresina - PI CEP: 64052-770
Curitiba - PR
Rua Bom Jesus, Nº 212, Sala 1904 - Juvevê - Curitiba - PR CEP: 80.035-010
João Pessoa - PB
Avenida Dom Pedro I, no 719, sala 104, Tambiá - João Pessoa - PB CEP: 58020-514

©2024 Galvão & Silva - Todos os Direitos Reservados. CNPJ 22.889.244/0001-00 | OAB/DF 2609/15

Entrar em contato pelo WhatsApp
✓ Válido

Olá, tudo bem? Clique aqui e agende uma consulta com o especialista.
Formulário de whatsapp
Ligar
Aguarde um momento enquanto geramos o seu protocolo de atendimento.